São Lourenço dos Órgãos agitado:Trabalhadores municipais voltam à greve esta quarta-feira e protestam junto da Câmara, do Supremo Tribunal e da Assembleia Nacional

Os mais de 200 trabalhadores do Município de São Lourenço dos Órgãos – inclui técnicos e afectos ao sector de saneamento – entram em greve geral e saem à rua, esta quarta-feira, em protestos à gestão do Edil Carlos Vasconcelos, contestando sobretudo a redução drástica nos seus salários. Depois seguem rumo à Praia, onde devem protestar-se frente ao Supremo Tribunal da Justiça –STJ sobre a morosidade judicial e da Assembleia Nacional (AN), isto no momento em que ocorre o debate entre os parlamentares e o Primeiro-ministro sobre os problemas sociais e ambientais de Cabo Verde.

São Lourenço dos Órgãos agitado:Trabalhadores municipais voltam à greve esta quarta-feira e protestam junto da Câmara, do Supremo Tribunal e da Assembleia Nacional
A paralisação dos serviços e os protestos do colectivo da autarquia de São Lourenço dos Órgãos (SLO), que começam hoje, prosseguem até esta quinta-feira, 28. Os trabalhadores, estimados à volta de 200, contam com o suporte da frente sindical composta pela SIACSA e SINDEP, organizações nas quais estão filiados.

O secretário permanente do SINDEP assegura ao Asemanaonline que esta iniciativa sindical começa com a concentração dos populares, pelas 8 horas desta quarta-feira, junto da Câmara Municipal. Tudo em protesto à redução do salário do colectivo – alguns em mais de metade – desde 2017 e a não aplicação do Salário Mínimo Nacional na Administração Pública. É que inicialmente o executivo de Carlos Vasconcelos reduziu para 5 contos o salário de pessoal de Saneamento e depois dos protestos voltou a subí-lo para 13 mil escudos. Um montante que está ainda longe do actual SMN que disparou para à volta de 16 mil escudos com os recentes aumentos concedidos na administração pública.

Jorge Cardoso anuncia que depois os trabalhadores seguem rumo à Praia, devendo às 10 horas concentrarem-se frente ao Supremo Tribunal da Justiça. Em causa está o facto deste tribunal estar ainda por decidir do recurso interpostos pelos trabalhadores contra a referida medida da Câmara de São Lourenço dos Órgãos. Já pelas 11 horas, os populares devem seguir para Assembleia Nacional, onde devem protestar-se com vista à resolução dos seus problemas. Isto tendo como foco o debate que ocorre naquele momento entre o Primeiro-ministro e os deputados sobre os problemas sociais e ambientais de Cabo Verde.

Segundo a mesma fonte, os protestos dos trabalhadores prosseguem na quinta-feira-28. Voltam a concentrar-se, às 8 horas, frente à Câmara, seguida da manifestação pacífica pelas artérias principais da cidade de João Estevão.

A fazer fé nos dirigentes dos dois sindicatos, tudo indica que os protestos e greves vão continuar até que o problema seja resolvido: a Câmara a repor o salário mínimo ao colectivo e o Supremo Tribunal da Justiça a decidir sobre o recurso entreposto neste sentido.

Fonte: Asemana