Obras do casino resort: PAICV com “impressões positivas”, mas preocupado com ocupação intensiva da orla marítima

A comunicação social não foi autorizada a entrar no espaço para acompanhar a visita dos deputados municipais do PAICV, e não houve nenhuma explicação sobre o porquê desse “travão” que apanhou de surpresa a imprensa.

Obras do casino resort: PAICV com “impressões positivas”, mas preocupado com ocupação intensiva da orla marítima
Os deputados municipais do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) dizem-se “tranquilizados e com impressões positivas” sobre as obras do casino resort na Gamboa, mas manifestam-se preocupados com a “ocupação intensiva” da orla marítima na Cidade da Praia.

Este posicionamento foi hoje revelado à imprensa pelo líder da bancada municipal, Vladimir Silves Ferreira, após uma visita às obras do casino resort na Gamboa.

Segundo esta mesma fonte, que justificou a visita dos eleitos com a necessidade de se inteirar do funcionamento de obras estruturantes em curso na Cidade da Praia, as impressões são positivas porque receberam garantias que a obra vai entrar numa fase de maior aceleração, proximamente.

“Nós viemos cá porque tínhamos dúvidas em relação ao ritmo que as obras tinham, porque no ano passado estivemos cá e a nossa expectativa era que em meados de 2019 a obra estivesse num outro patamar”, realçou.

Mas pelas informações que recebemos saímos daqui mais tranquilizados na expectativa de que nos próximos dois anos haverá um incremento forte do processo de implementação dessas obras”, explicou o líder da bancada municipal do PAICV.

Conforme Vladimir Silves Ferreira a visita também é uma oportunidade para sensibilizar os munícipes porque é necessário reflectir sobre qual é o melhor ordenamento marítimo para a Cidade da Praia. Isto no sentido de saber se querem o modelo de ocupação intensiva com projectos turísticos ou se querem que as praias sejam preservadas e que sejam também de acesso livre a todos os munícipes, ajuntou.

“Há um debate à volta da melhor forma de ocupar e utilizar esse território que é a nossa orla marítima e eu acho que é preciso um amplo debate para sabermos qual é a posição dos munícipes”, elucidou realçando, por outro lado, que também notaram a pouca complementaridade entre as obras do casino resort e do empreendimento hoteleiro avaliado em 85 milhões de euros (9,3 milhões de contos), que será edificado também na Gamboa, recentemente anunciado pela edilidade.

“Para além da forma que está a ser ocupada a orla, que a nosso ver não é a melhor, podia ser menos pior se os empreendimentos que estão a ser autorizados fossem complementares uma em relação à outra”, criticou o político realçando que na visita não conseguiram saber se há complementaridade estre as duas obras, o que o leva a dizer que “falta um processo de planeamento melhor organizado”, disse, pedindo a sociedade civil, os munícipes e organizações, como a pró-Praia, para que se envolvam neste processo.

Entretanto, a comunicação social não foi autorizada a entrar no espaço para acompanhar a visita dos deputados municipais do PAICV, e não houve nenhuma explicação sobre o porquê desse “travão” que apanhou de surpresa a imprensa.

Fonte: A Nação