Encontro entre líderes do PP e PAICV: Má governação do país e próximo ciclo eleitoral no centro das atenções

Os líderes do PAICV e do Partido Popular têm, esta quinta-feira, agendado um encontro, na Praia, para análise da governação de Cabo Verde e a gestão da Câmara da Praia. Trata-se da primeira aproximação entre partidos da oposição, depois das legislativas de Março de 2016 ganhas pelo MpD . É que com o forte descrédito do actual governo de Ulisses Correia e Silva por não cumprir as promessas feitas, em 2021 não se descarta, conforme alguns analistas, o cenário de um governo de maioria relativa ( incluindo um sistema geringonça formado por um executivo com partidos da oposição), tal como aconteceu em Portugal e São Tomé e Príncipe.

Encontro entre líderes do PP e PAICV: Má governação do país e próximo ciclo eleitoral no centro das atenções
«Vimos, por esta via, comunicar a todos que o Partido Popular terá, esta quinta-feira, dia 21 de Fevereiro, pelas 10 horas, na Sede do PAICV, sito no Plateau, um encontro com a Líder do PAICV», informa em nota o presidente do PP.

Amândio Barbosa Vicente anuncia que, este encontro de aproximação entre ele e Janira Hopffer Almada, é para sobretudo analisarem a gestão actual do Cabo Verde e do Município da Para – há indícios de má governação com a falta de transparência na gestão de várias coisas públicas. « A reunião é para: 1. discutir alguns assuntos relacionados com a gestão deste país;2. analisar a gestão municipal da Praia e possíveis ações conjuntas; 3. Outros assuntos», precisou.

Para observadores atentos, tudo indica que várias questões poderão estar em análise, isto levando em conta os descontentamentos registados com a actual governação do país pelo MpD e da Câmara da Praia pelo executivo de Óscar Santos. « É muito provável que os dois lideres se discutem alguma frente de ação conjunta entre PP e PAICV na Praia – incluindo o próximo embate autárquico – isto tendo em conta os trabalhos de terreno que os populares vêm realizando na Capital, com destaque para o caso da ação acautelar que ditou o embargo das obras da requalificação da Praça de Palmarejo», analisa o interlocutor do ASemanaonline.

Esta é a primeira aproximação entre partidos da oposição, depois das legislativas de Março de 2016 ganhas pelo MpD. É que, segundo alertam alguns analistas, com o forte descrédito do actual governo de Ulisses Correia e Silva por não cumprir as promessas feitas – líder do Sokols 2017 alertou na sua página oficial de facebook de que se o país não mudar de políticas e rumo o movimento de colete amarelos pode pacificamente surgir em S.Vicente – em 2021 não se descarta o cenário de um governo de maioria relativa ( incluindo um sistema geringonça formado por um executivo com partidos da oposição), tal como aconteceu em Portugal e São Tomé e Príncipe. Falta a UCID de centro esquerda (o seu líder António Monteiro passeia a solo pelo país) seguir o mesmo caminho, rompendo assim a sua suposta ligação antiga com o MpD, «que a tem comido politicamente durante e depois da abertura política de 1990», conclui a fonte que vimos citando.

Fonte: Asemana