AN: Oposição questiona desmantelamento do Ministério da Juventude e apela ao Governo para começar a trabalhar para os jovens

O Governo precisa deixar de governar para a imagem e começar a trabalhar para que os Jovens se sintam as medidas, com as suas vidas melhorando e as suas oportunidades aumentando. O SOS foi lançado pela líder da Oposição, durante o debate de hoje, no parlamento, sobre a «“Empregabilidade, com especial incidência na Juventude”. Janira Hopffer Almada confrontou o Primeiro-Ministro sobre o desmantelamento do Ministério da Juventude e questionou os 45 mil novos empregos dignos que Ulisses Correia e Silva prometeu criar na actual legislatura que termina em 2021.

AN: Oposição questiona desmantelamento do Ministério da Juventude e apela ao Governo para começar a trabalhar para os jovens
Na sua comunicação, a presidente do PAICV sugeriu como alternativa que o Governo precisa planear estrategicamente, para definir prioridades e implementar medidas que sirvam a juventude e o país, a curto, médio e longo prazos. Lembrou inclusive que o Grupo de Ajuda Orçamental já tinha dito isso ao executivo.

«Neste contexto especifico, é bom que a ação do Governo se oriente pelos princípios de rigor, da transparência e do tratamento com igualdade dos potenciais beneficiários. Por isso mesmo, não podemos deixar de estranhar, já num ano pré-eleitoral, esse seu súbito interesse em duas medidas, nomeadamente: os Estágios profissionais e a atribuição de kIts», alertou.

É que, segundo advertiu a presidente do PAICV, não deixa de ser estranho que, três dias depois de o Orçamento de Estado de 2019 entrar em vigor – com essas duas medidas como bandeira para o emprego – o Governo anuncie, também, que o IEFP passará a ser apenas uma Entidade reguladora.

« Reconhecendo os estágios profissionais como uma medida relevante – mas existente desde 2009 em Cabo Verde, como medida activa de emprego – esperamos que não se esteja a preparar nenhuma transformação criativa de estagiário em alguém que esteja efectivamente empregada, para, depois, influenciar a taxa de desemprego», advertiu

Detendo-se sobre este particular, a líder da oposição considera que Cabo Verde deve ser o único país no mundo em que a taxa de desemprego diminui e o número de desempregados aumenta, em mais de seis mil pessoas.

Quadro sombrio e promessas de novos empregos
Ao fazer o diagnóstico do sector, JHA critica que o Governo, logo que tomou posse, começou por desmantelar o Ministério da Juventude, deixando a juventude cabo-verdiana sem um interlocutor no Governo. «Acabou com a Direcção-Geral da Juventude, liquidou o Corpo Nacional de Voluntários, fechou as 6 Agências de Voluntariado, eliminou o Cartão Jovem, esqueceu a Pousada da Juventude, zerou o Associativismo e Intercâmbio Juvenis e extinguiu os programas de apoio à inserção sócia-económica dos jovens».

A líder do maior partido da oposição acrescenta que, não querendo assumir o fecho dos 20 Centros de Juventude, O governo de Ulisses Correia e Silva transferiu-os para as Câmaras Municipais, para poderem fechar as portas. Isto sem que o Primeiro-ministro tivesse que assumir a culpa perante os cabo-verdianos.

Referindo-se às promessas eleitorais, Janira Hopffer Almada questionou, entre outros aspectos, o chefe do Governo como irá criar os 45 mil novos empregos que prometeu até ao fim desta legislatura. «Uma vez que o sr PM já desistiu da sua meta de crescimento de 7% ao ano – da qual já nem fala – a pergunta que não se cala é como pretende garantir os 45 mil novos Empregos Dignos – e não estágios – que prometeu à Juventude cabo-verdiana neste mandato», interpelou a líder do PAICV durante o debate parlamentar deste manhã, com o Primeiro-ministro, sobre « “Empregabilidade, com especial incidência na Juventude».

Fonte: Asemana