Aeroporto da Praia. BAD diz que será um dos mais modernos da África Ocidental

O Aeroporto Internacional Nelson Mandela, na Cidade da Praia, capital da República de Cabo Verde, vai tornar-se num dos mais modernos da região, segundo o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), entidade que financiou um investimento de 32,7 milhões de euros. Esta remodelação, cujas obras iniciaram com o Governo do PAICV, encontra-se na fase de conclusão.

O BAD, em nota sobre a conclusão do projeto de expansão e modernização do Aeroporto Nelson Mandela, incluindo o novo terminal para voos internacionais, destaca a instalação de novos “scanners” 3D com tecnologia avançada que aumentam “a eficiência global da segurança dentro do aeroporto.”

“Estas instalações modernas posicionam o aeroporto de Praia entre os mais bem equipados na sub-região da África Ocidental”, refere o BAD.

Construído pela ‘Impresa Costruzioni Giuseppe Maltauro’, o novo terminal tem uma área de dois mil 560 metros quadrados, incluindo lojas duty free e turísticas e zona de restauração.

A empresa aeroportuária cabo-verdiana Aeroportos e Segurança Aérea (ASA) informou que o novo terminal tem capacidade para processar mil e100 passageiros por hora, em momentos de pico de tráfego, em vez dos anteriores 700 passageiros por hora.

O desenvolvimento da infraestrutura de transportes do país, particularmente a aeroportuária, é uma das prioridades da estratégia global do governo de Cabo Verde para promover o crescimento económico.

O tráfego aéreo de passageiros no aeroporto da Praia registou uma taxa de crescimento anual média de 7,5%, nos últimos anos, 1,2 pontos percentuais acima do tráfego médio total de plataformas aeroportuárias no país.

Para o BAD, “o sector dos transportes oferece perspectivas económicas promissoras, afectando em particular a atividade turística que contribui para 20% do PIB”, que tem vindo a registar um “desenvolvimento acelerado.”

Em conjugação com a modernização das infraestruturas aeroportuárias, o governo cabo-verdiano está também a promover a privatização da companhia aérea de bandeira.

No final de 2018, a Icelandair entregou uma proposta final e vinculativa para a aquisição de 51% do capital social da TACV – Cabo Verde Airlines.

A proprietária da TACV vai ser a Loftleidir Cabo Verde, uma nova companhia do grupo da Icelandair, que encara a localização do arquipélago cabo-verdiano ideal para o desenvolvimento de voos de ligação entre a Europa, América do Sul e África.

Com NewsAvia

Fonte: Santiagomagazine