Trabalhadores do Correios param antes do Natal

Os trabalhadores dos Correios de Cabo Verde (CCV) ameaçam entrar em greve antes do Natal. A paralisação está agendada para os dias 20 e 21 deste mês. Os funcionários exigem a reposição do subsídio de Natal em 100%, após a administração da empresa decidir reduzir o valor para 60% este ano.

A informação foi avançada esta manhã, à Rádio Morabeza, pelo presidente do Sindicato de Transportes, Telecomunicações, Hotelaria e Turismo, Carlos Lopes.

“Nós tínhamos realizado uma reunião recentemente com a administração que decidiu fixar, unilateralmente, a redução desse subsídio. Já enviamos duas comunicações formais à administração da empresa a pedir para rever a sua posição porque os trabalhadores discordam frontalmente dela, mas mesmo assim a administração insiste em manter a sua posição. Face a esta posição, os trabalhadores decidiram incumbir a direcção deste sindicato para avançar com este aviso de greve”, explica.

A anunciada greve, de abrangência nacional, afectará todos os serviços e funções exercidas por todas as categorias profissionais da empresa. O pré-aviso terá sido entregue na manhã de hoje à administração dos Correios de Cabo Verde e à Direcção-Geral do Trabalho, conforme exigência legal.

Por outro lado, o presidente do sindicato que representa os trabalhadores dos Correios de Cabo Verde acusa o Governo de abandonar a empresa estatal. Como exemplo, Carlos Lopes aponta o facto de a CCV estar, há mais de sete meses, sem presidente do Conselho de Administração.

“Os trabalhadores dos Correios de Cabo Verde são tratados pelo Governo como parente pobre do sector empresarial do Estado. A título de exemplo, apontam o facto de há mais de sete meses que a então presidente do Conselho de Administração se demitiu das suas funções e até então o Governo não se preocupou em nomear uma nova administração para a empresa. Os trabalhadores consideram ser fundamental neste momento que seja nomeada com a máxima urgência uma nova administração para a empresa que está ao completo abandono por parte das autoridades”, diz.

A actualização salarial e integração plena na carreira de um grupo de profissionais que estão na empresa há mais de cinco anos são algumas das questões que, segundo o presidente do SITTHUR, vão estar na agenda a partir de Janeiro do próximo ano.

Fonte: Expressodasilhas