São Vicente: Ilhas do norte estão prejudicadas com o novo serviço público de transporte inter-Ilhas – PAICV

Mindelo, 02 Out (Inforpress) – O deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) João do Carmo afirmou hoje que as ilhas do norte estão, neste momento, prejudicadas com o novo serviço público de transporte inter-Ilhas.

Esta constatação foi feita por João do Carmo após encontrarem-se com a Associação Cabo-verdiana dos Armadores da Marinha Mercante (ACAMM), enquadrado nas jornadas descentralizadas do grupo parlamentar do PAICV, que decorrem em São Vicente.

Segundo o político, cada vez que o PAICV encontra-se com a ACAMM ganha a convicção de que o processo do concurso internacional foi “viciado” e que o Governo “prejudicou claramente” os cabo-verdianos.

João do Carmo lembrou que em Julho, aquando do debate sobre o estado da Nação, o primeiro-ministro garantiu que a 15 de Agosto Cabo Verde receberia o primeiro barco novo, informação desmentida pelo ministro dos Transportes que avançou que o barco chegaria a 15 de Outubro.

Por isso, pediu aos cabo-verdianos para ficarem atentos porque o PAICV “tem todas as informações” de que “não vai chegar nenhum navio no dia 15” e que os problemas dos transportes marítimos “vão persistir”.

“Cabo Verde está claramente prejudicado. Há neste momento alguma priorização para o transporte de passageiros e o transporte de carga está muito aquém daquilo que era o caderno e encargos. Há ilhas como Sal e São Nicolau em que as mercadorias não estão a ser transportadas”, criticou o político para quem o estado de espírito dos armadores da ACAMM o é de “desânimo”.

A mesma fonte contestou o facto de existir apenas um barco a operar no trajecto Santo Antão- São Vicente, o que, no seu entender, “coloca a linha em risco”, porque se acontecer alguma avaria não há nenhuma alternativa de reposição do navio no dia seguinte.

Para o deputado, a principal conclusão do grupo parlamentar do PAICV é que caso a concessão fosse dada aos armadores nacionais e caso fosse dada a garantia de algum recurso financeiro, tal como acontece com a nova empresa, os próprios armadores nacionais resolveriam o problema dos transportes marítimos em Cabo Verde.

João do Carmo afirmou que neste momento está a desenrolar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e a Procuradoria da República poderá agir depois que o relatório der entrada no Parlamento.

“Por todas as audições já feitas há claramente sinais de que o processo foi mal conduzido. Houve favorecimento a uma empresa estrangeira em conluio com o Governo para que esta empresa ganhasse o concurso”, sentenciou.

Esta tarde o grupo parlamentar do PAICV deverá encontrar-se com o presidente do Tribunal da Comarca de São Vicente e com o secretário de Estado-Adjunto para a Economia Marítima, Paulo Veiga. Na quinta-feira segue para a ilha de Santo Antão em seguimento às jornadas descentralizadas.

Fonte: Inforpress