Santiago Norte: PAICV aponta “cinco anos de descaso” do Governo com a região

Cidade da Praia, 02 Fev (Inforpress) – A Comissão Política Regional do PAICV em Santiago Norte manifestou hoje descontentamento “com cinco anos de descaso” por parte do Governo com a região, apontando um conjunto de promessas que não foram cumpridas.

A posição do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) foi manifestada em conferência de imprensa, pelo porta-voz do partido, António Fernandes, explicando que a população de Santiago Norte viveu cinco anos de descaso do Governo e da maioria das Câmaras Municipais, sendo a juventude a mais afectada.

Conforme apontou, foram prometidas infra-estruturas desportivas, infra-estruturas de qualificação e de ocupação, 45 mil empregos no País, mas, avançou, Santiago Norte passou a ser “chão dos desempregados desde de que Movimento para a Democracia assumiu o poder”.

“Isso ainda sem contar com os dados de 2020 e sem contar com os efeitos da pandemia. Santiago Norte traduziu numa região do descaso e da enganação de Governo do MPD para com a sua população”, sublinhou.

Segundo referiu, os produtores e criadores foram abandonados, proprietários e condutores de Hiluxs, Hiaces e Táxis sufocados com taxas, impostos e licenças em valores altos.

“Temos um sistema do Governo que só se lembra de Santiago Norte em ambiente de campanha”, disse, realçando que foi assim nas eleições autárquicas em que se assistiu passeatas diárias dos membros do Executivo depois de 4 anos de ausência.

Criticou a postura do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, alegando que o chefe do Governo deu “pouca importância” às barragens, mas, entretanto, dá valor à água que se encontra nelas.

“Não se compreende que foram necessários quatro a cinco anos para que se lembrasse da necessidade de sistema de irrigação, afinal temos votos à vista e se calhar ele acredita que o povo tem memória curta”, ressaltou.

Por fim, indicou que em São Lourenço dos Órgãos há muita política de enganação por parte da autarquia, com várias promessas que não foram cumpridas, dando destaque às obras da construção de um estádio que “continua encalhado”.

Fonte: Inforpress