Santiago: Câmara do Tarrafal já tem aprovado instrumentos de gestão para ano económico de 2021

Tarrafal, 01 Fev (Inforpress) – A Câmara Municipal do Tarrafal, no interior de Santiago, já tem aprovado o seu plano de actividades e o orçamento para o ano económico de 2021, avaliado em 603 milhões de escudos.

As duas propostas foram aprovadas na sessão ordinária da Assembleia Municipal, realizada este fim-de-semana e tiveram nove votos a favor do PAICV (partido que gere a câmara), oito abstenções da oposição, sendo sete do Movimento para a Democracia (MpD) e uma do Movimento Independente Tarrafal (MIT).

O líder da bancada Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Ronaldo Cardoso, assegurou que votaram favoravelmente, porque estes dois “importantes” instrumentos de gestão municipal estão espelhados um conjunto de ideias que consideram que são importantes para o desenvolvimento do Tarrafal.

Apontou os sectores primários (agricultura, pecuária e pesca), habitação social e famílias vulneráreis como prioridades.

Por sua vez, o líder da bancada do MpD, Manuel Landim, justificou a abstenção com o facto de a nova equipa camarária não ter trazido “nenhuma inovação ou novidades” relativamente aos dois instrumentos, e porque os mesmos “não vão dar respostas aos desafios do Tarrafal e aos anseios e vontades dos tarrafalenses”.

Criticou o facto de muitas localidades terem ficado de fora do plano de actividades, e por este executivo municipal não ter alinhado aos programas sociais do Governo à semelhança dos outros municípios do País.

Já para o porta-voz e único eleito municipal do MIT, Adelino da Silva, a sua abstenção deve-se ao facto de os dois instrumentos estarem “aquém das necessidades dos jovens tarrafalenses”, sustentando, que actualmente os jovens ambicionam muito mais do que formação profissional e programas de empreendedorismo.

E por ser o primeiro orçamento dessa nova equipa, informou que o MIT deu “benefício da dúvida”, não obstante, defender que o sector da juventude merecia “mais bolo”.

Para o edil tarrafalense, José dos Reis, não obstante a situação pandémica, os dois instrumentos são “realistas e inovadores” e que têm todas condições para serem executados.

A mesma fonte não tem dúvidas, que o documento que vai priorizar muitas acções voltadas para a competitividade e promoção de oportunidades geradoras de rendimentos vai colocar a “família no centro de toda atenção”.

Constam ainda como prioridades investimentos/ infra-estruturação, actividades que têm a ver com capital humana, turismo e promoção de actividades económicas.

“É um orçamento orçado na ordem de 603 milhões de escudos e que comparativamente ao de 2020 sofreu uma redução na ordem de 6,5 por cento (%) de receitas e 13,6 % no que toca às despesas. Portanto, é um orçamento que está alinhado ao plano de actividades (…) e que vai colocar Tarrafal no patamar de desenvolvimento que todos almejamos”, vaticinou José dos Reis.

Fonte: Inforpress