Praia: Grupo de professores denuncia descaso do ME ao pedido de reconversão do ensino secundário para ensino básico

Cidade da Praia, 03 Set (Inforpress) – Um grupo de 23 professores da cidade de Praia denunciou hoje o descaso do Ministério da Educação relativamente ao pedido de reconversão do ensino secundário para ensino básico, no quadro do cumprimento do processo de reclassificação.

Em declarações à Inforpress, a porta-voz do grupo de professores, Iria Silva, afirmou que os professores sentem-se “descriminados” e “cansados” de esperar pela resposta do Ministério da Educação relativamente ao seu pedido de reconversão.

“Somos professores que há mais de 20 anos, trabalhamos sempre no ensino básico, fizemos formação superior e fomos reclassificados, mas como professores do ensino secundário. Nós solicitamos que queríamos ficar no ensino básico, mas o Ministério aceitou o pedido de uns e recusou de outros”, elucidou.

Segundo a porta-voz, com essa reclassificação por parte do Ministério da Educação, os professores perderam um conjunto de regalias conquistadas no decorrer do processo de ensino.

Conforme avançou, a maioria desses professores trabalha há mais de 25 anos de carreira no ensino básico e não beneficiam do subsídio pela não redução da carga horária, frisando, por outro lado, que todos que foram reclassificados nunca desempenharam qualquer função no ensino secundário.

Iria Silva acrescentou, ainda, que neste grupo existem professores com formação superior que foram reclassificados na referência 8/A quando, referiu, deveriam ser reclassificados no 9/A.

Esta representante diz estranhar a decisão do Ministério da Educação em resolver o problema de alguns e de ignorar outros, tendo asseverado que tentaram inúmeras vezes junto do referido ministério solucionar o problema, mas não há, até agora, nenhuma confirmação.

“Estamos abalados com esta situação, porque com isso, ficamos sem fazer a nossa carreira que exercemos durante todos esses anos no ensino básico, por isso, esperamos que a nossa situação resolva, embora saibamos que com a situação da pandemia o País tem outras prioridades, mas estamos confiantes que a nossa situação será resolvida”, afirmou.

Na passada semana, o Sindicato dos Professores de Santiago (SIPROFIS), através do seu presidente Aníbal Borges, apelou ao Ministério da Educação a resolução urgente dos pendentes, nomeadamente o reenquadramento, mudanças do secundário para básico de um grupo considerável de professores de todo País.

O referido sindicato apelou, ainda, à reclassificação ao abrigo do Artº 3º, subsídio de carga horária, de um grupo de professores com documentos comprovativos, que mostram terem feitos pedidos em 2015, e que aguardam a publicação dos mesmos.

Entretanto, contactado pela Inforpress, o director geral do Planeamento, Orçamento e Gestão do Ministério da Educação, José Marques, prometeu nas próximas horas prestar esclarecimentos sobre a denúncia dos professores.

Fonte: Inforpress