Pela boca morre o peixe. As (in) verdades do governo

Diz o provérbio popular que pela boca morre o peixe, e os homens pela língua. Na apresentação do Estado da Nação, o Governo apresentou uma revista intitulada: “Estamos a construir um País melhor. Três anos de Governação (2016-2019), onde apresentava os resultados até 2015 como sendo do PAICV e, a partir de 2016 como sendo do MpD. Se os dados são positivos, em 2016 são do Governo atual. Se os dados são negativos, é do Governo anterior (PAICV).

Mas, segundo o Primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, no Parlamento do dia 27 de Novembro de 2019[i] (vide o vídeo no link abaixo), “2015 de facto a taxa de desemprego era 12,4%. Aumentou para 15% em 2016. E sabe quando este Governo começou de facto a Governar? O nosso orçamento foi aprovado em Julho de 2016.Entrou em vigor em Agosto de 2016. Os instrumentos para mudar a situação, não estavam ainda criadas. Este número aqui é tributário da governação do PAICV.”

Por outras palavras, até o final do ano de 2016, todos os resultados pertencem ao PAICV. Isto significa que toda a retórica e dados apresentados pelo MpD, têm que ser revistos. Analisando o relatório sobre o estado da nação (2 anos e 4 meses e, não três anos, então), podemos concluir que este Governo, usa os dados conforme a conveniência.[ii]

Quadro1 Samilo

Quadro 2 Samilo

O PIB a partir de 2016 teve um crescimento de + 3,7 p.p. Isto significa que não é mérito do MpD a retoma económica.

Quadro 3 Samilo

Em 2016, o aumento de 6,7% na Produção Industrial deve-se ao MpD ou ao PAICV?

Quadro 4 Samilo

Quadro 5 Samilo

O que podemos deduzir é que até ao fim da Legislatura, há fortes possibilidades de não haver reformas ou resultados positivos conseguidos por este governo. As evidências até agora não são boas para os Cabo-verdianos.

Fonte: Santiagomagazine