Parlamento: PAICV diz que três anos “é tempo mais do que suficiente” para resolver problemas de Chã das Caldeiras

Cidade da Praia, 14 Mar (Inforpress) – O deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, Oposição), Nuias Silva defendeu hoje que três anos de governação do MpD é tempo mais do que suficiente para resolver os problemas das pessoas de Chã das Caldeiras.

Conforme Nuias Silva que falava no período de questões gerais no Parlamento, o Movimento para a Democracia (MpD) e o próprio Governo utilizaram Chã das Caldeiras como “plataforma para ganhar as eleições” e ganhou com promessas de resolver “no curto prazo” uma questão “emergencial”.

No entanto, “em três anos de gestão do MpD a população manifestou três vezes, gritando ao MpD e ao Governo a falta de dialogo e de respeito na construção das soluções”, acrescentou.

De acordo com o deputado do PAICV, a população de Chã das Caldeiras reclama de que não são nem tidos nem achados na construção das soluções. Disse ainda que, porque as coisas acontecem às escondidas e nem água que é um bem precioso e que está instalada na localidade lhes é disponibilizada.

“Há um comandante com a sua chave que racionaliza este bem precioso que dá a população quando quer e quando lhe convém. Nós queremos aqui associar à população de Chã das Caldeiras e manifestar-lhes a nossa solidariedade porque de facto já é tempo para que as coisas estejam normalizadas”, criticou o deputado acrescentando ainda que a população apelidou a estrada local de “estrada de pouca sorte”, porque está a ser construída com má qualidade e que não permite a transição de carros com normalidade no maior parque turístico da ilha do Fogo.

Por sua vez, o deputado do Movimento para a Democracia, Filipe Santos, preferiu falar em realizações para mostrar” que há retoma económica em Chã das Caldeiras”.

A título de exemplo apontou a construção de casas em Monte Grande e Achada Furna, que custaram 300 mil contos, a construção de adegas provisória, a elevação de Plano Detalhado de Chã das Caldeiras, do Parque Natural, do posto de policia, da delegação municipal, de furos equipados com painel solares e da retoma da produção agrícola.

“Há dezenas de estabelecimentos comerciais que não pagam impostos, construção de 85 quartos entre pensões e casas que recebem turistas, embora por iniciativa privada que não pagam imposto, uma dezena de famílias que adquiram viaturas privadas para transportes de turistas mostram que em Chã das Caldeiras há retoma da economia”, frisou indicando outras obras como a construção da estrada de Covatina à Portela e Bangaeira, do lançamento do concurso para a construção da rede técnica viária em Chã das Caldeiras entre outros.

Fonte: Inforpress