PAICV pede criação de gabinete de atendimento aos estrangeiros africanos nas câmaras municipais

Cidade da Praia, 16 Jul (Inforpress) – O líder da bancada municipal do PAICV, na Praia, Vladimir Silves, pediu hoje a criação de um gabinete de atendimento aos estrangeiros africanos, com sede nas câmaras municipais, de forma a melhorar a integração dos mesmos no país.

Vladimir Silves fez esta declaração à Inforpress, à margem da visita que efectuou à Plataforma das Comunidades Africanas, na Cidade da Praia.

O eleito municipal começou por fazer referência à actual sede onde se encontra a direcção da plataforma, explicando que a organização funcionava num local situada no bairro da Fazenda, “fruto de um protocolo com o Governo anterior”, mas que, entretanto, por condições várias, ditaram o fim do apoio por parte do Governo actual e foram desalojados da sede.

Conforme disse, neste momento, funcionam num espaço que “não oferece as condições dignas”, salientando a necessidade de o país ser minimamente exemplo em termos de integração e acolhimento da comunidade africana estrangeira que vive em Cabo Verde.

Contudo, para além dessa questão da sede, Vladimir Silves disse que o principal problema que a comunidade atravessa é a questão dos documentos de residência, em relação ao qual “há enormes dificuldades” no diálogo entre os emigrantes e as instituições que estão directa e indirectamente envolvidos nesse processo.

Por isso, apelou à criação de um gabinete de apoio ao emigrante, informando que apenas a câmara da Boa Vista e a de Santra Cruz já conseguiram implementar esse gabinete.

“A Câmara Municipal da Praia está muito atrasada e ainda não tem este serviço, a capital deve ser um exemplo e referência nesse tipo de iniciativa”, referiu.

O líder da bancada municipal avançou ainda que foi discutido aspectos e dimensões, como por exemplo, “a questão do reconhecimento do grau académico”, atendendo que muitos emigrantes africanos vêm a Cabo Verde com competências várias, entretanto, o sistema de ensino nacional não as reconhece.

Concluiu que “as propostas são consistentes”, sustentando a necessidade de maior atenção à comunidade africana estrangeira, criando condições para que cada vez mais possam consolidar a integração no país.

Fonte: Inforpress