PAICV critica partidarização da Administração Publica e aponta discursos incoerentes do Governo

Cidade da Praia, 12 Dez (Inforpress) – O PAICV (oposição) acusou hoje o Governo, durante a sessão parlamentar, de partidarizar a Administração Pública, o que é visível em alguns sectores, e afirma que as medidas do Executivo são iguais aos discursos incoerentes que apresenta.

Este posicionamento foi tomado pela deputada Janira Hopffer Almada, durante a discussão e votação na especialidade, da proposta de lei que aprova o Orçamento de Estado para o ano económico de 2020.

Segundo a parlamentar, o vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, quando estava na oposição, acusou a anterior governação de partidarizar o Estado, mas “agora no poder, tem as mesmas medidas e ainda diz que ninguém deve ser prejudicado por sua militância partidária e por ter opção política”.

“As vossas medidas são iguais, são exactamente iguais às incoerências e à inconsistência dos vossos discursos”, enfatizou.

A deputada do maior partido da oposição desafiou, por outro lado, afirmando que, se na empresa Cabo Verde Telecom não há partidarização, então que o Governo explique “a diminuição” da renda anual que a empresa deveria pagar ao Estado de 4 por cento (%) para 2,5%, com efeitos retroactivos.

Por sua vez, a deputada do MpD Joana Rosa, considerou que o PAICV quer fazer comparações “para enganar os cabo-verdianos” de que faziam melhor enquanto Governo, mas conforme realçou, “o povo chumbou” esse partido por falta de credibilidade.

“O PAICV não perdeu as eleições por causa do programa, mas sim porque o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva tem credibilidade e confiança dos cabo-verdianos”, atirou, sustentando que o maior partido da oposição não tem lições a dar ao Governo.

Já o vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, destacou a liberdade dos cidadãos e refutou as acusações do PAICV, afirmando que o que está em causa é quando os cidadãos estão em funções e utilizam os cargos para servir partidos políticos por influência dos próprios partidos.

Para o governante é necessário criar um clima institucional para permitir que as pessoas trabalhem com naturalidade, façam o seu serviço normal na máquina pública como servidores públicos e tenham as suas opções no final do dia como bem entenderem.

Inforpress