PAICV acusa o Governo de “intransparência” no sector dos transportes aéreos e marítimos

Cidade da Praia, 09 Out (Inforpress) –  O PAICV (oposição) acusou hoje o Governo de “desorientação das políticas públicas” no sector dos transportes aéreos e marítimos que, segundo este partido, está envolto em “intransparência e negociações pouco explicadas”.

De acordo com o porta-voz do grupo parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, Nuías Silva, o Governo tem “falta de visão” em relação a um sector aéreo, que é “estratégico” para um Estado insular como Cabo Verde.

“No sector dos transportes marítimos o caos instalado é total”, disse o deputado em declaração política que marcou o início do ano parlamentar.

Para o PAICV, o processo de concessão na área dos transportes marítimos esteve envolto em “polémicas e acusações de intransparência em toda a linha do processo concursal”.

“O arranque das operações da CV Inter-ilhas veio demonstrar e tirar a prova dos noves que a empresa seleccionada não tem know-how, não tem dinheiro e muito menos aporta mais mercados ao país”, indicou o PAICV, argumentando que os armadores nacionais “podiam fazer melhor, caso fosse aceite o pedido de apoio que apresentaram ao Governo”.

Na perspectiva do maior partido da oposição, os armadores nacionais, quando falam dos transportes inter-ilhas fazem-no com “sentimento de ingratidão”, porque foram eles que desde 1975 garantiram as ligações marítimas a nível nacional e na mesma altura as ligações internacionais.

“A situação no sector dos transportes é reveladora da desgovernação que o país vem vivenciando neste últimos três anos e meio”, precisou, acrescentando que o Governo do Movimento para a Democracia “protege interesses” de uma classe “próxima do partido”, além de vender “ao desbarato os activos do país, que tanto custaram a gerações a sua edificação”.

Por sua vez, os deputados do MpD apresentaram uma visão totalmente diferente da dos eleitos do PAICV em relação aos transportes, enquanto a União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID-oposição) entende que a situação não vai bem  e só não deu conta “aquele que não quer ver”.

Fonte: Inforpress