Óbito: PAICV consternado com a morte de Corsino Tolentino

Cidade da Praia, 21 Dez (Inforpress) – O PAICV, partido onde militou Corsino Tolentino, reagiu hoje à morte deste com “muita consternação”, recordando que foi um “militante exemplar” e que deixou imenso legado político e cultural ao País.

Em comunicado assinado pelo presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), este apresenta a sua solidariedade aos familiares e amigos, os “sentimentos de profundo pesar” pela morte daquele que foi combatente da liberdade da Pátria, que ainda jovem aderiu à causa da luta de libertação nacional.

Segundo o documento chegado à Inforpress, Corsino Tolentino desempenhou várias e complexas missões com elevado espírito patriótico de entrega à missão do engrandecimento da pátria que o viu nascer.

“André Corsino Tolentino era natural da ilha de Santo Antão, mas tornou-se um cidadão por inteiro de todas as ilhas para se tornar também um cidadão do mundo tendo em conta a sua mente aberta e a sua disponibilidade para aprender sempre”, lê-se no comunicado.

 Mesmo depois de estar a assumir cargos de elevada responsabilidade não abandonou os estudos e a investigação, tendo-se graduado com o título de Doutor pela Universidade de Lisboa.

No período pós-independência, desempenhou elevadas funções político-partidárias, foi distinto diplomata sendo embaixador jubilado.

Tido como um homem culto, sagaz e de fino trato, Corsino Tolentino desempenhou as funções de ministro da Educação, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e embaixador de Cabo Verde em vários países, nomeadamente em Portugal.

Foi ainda consultor do Banco Mundial e promotor da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), do Instituto da África Ocidental (IAO) e colaborador assíduo da imprensa, tendo-se revelado ainda como escritor, para além de vários cargos de relevo de que se destacam o de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, professor universitário, sócio correspondente da Academia de Ciências de Lisboa.

O PAICV recorda do homem que deu um “valioso contributo” ao processo de mudança política em 1991, como um dos integrantes do grupo dos negociadores, indicados pelo partido, para o processo de mudança política para o multipartidarismo, numa transição considerada por todos como bem-sucedida.

Deixou várias produções literárias, sendo a sua obra póstuma trazida ao público nos dias 26 de Novembro e 16 do corrente, na Praia e Mindelo respectivamente, intitulada, “A vitória é hoje. A minha relação com a Paralisia Supranuclear Progressiva’’.

LC/ZS

Fonte: Inforpress