“Não estou contente com a situação da Guiné-Bissau” – Pedro Pires

Cidade da Praia, 08 Nov (Inforpress) – O ex-Presidente de Cabo Verde Pedro Pires disse que não está contente com a situação actual da Guiné-Bissau, mas sim “preocupado, inquieto, aborrecido, mas optimista” quanto à resolução da situação.

Pedro Pires falava aos jornalistas à margem da sessão de homenagem ao poeta e Combatente da Liberdade da Pátria, Ovídio Martins, organizada pela Academia Cabo-verdiana de Letra (ACL) e a Fundação Amílcar Cabral, na Cidade da Praia.

Sobre Ovídio Martins, o também presidente da Fundação Amílcar Cabral relembrou que este resistiu às perseguições em Portugal e que tinha ligações com os combatentes, com o PAIGC, com Amílcar Cabral e com os seus companheiros.

“Por vezes indirectamente, mas mantinha essas ligações. Apoiou também os mais jovens na tomada de consciência da necessidade de lutar pela nossa libertação, necessidade de lutar pelo estabelecimento do nosso Estado soberano”, acrescentou.

Pedro Pires disse ainda que Ovídio Martins fez da poesia uma arma de combate e que, portanto, “toda a poesia dele está inserida no combate, na denúncia, na recusa e na necessidade de mudar as coisas”.

Ainda nas suas declarações, o ex-Presidente falou em uma lucidez poética que serviu a Cabo Verde para fazer apelo a luta, a mudança de condição que as gentes se encontravam e de denúncia da “situação desesperada”, de “opressão”, mas também de abandono, de miséria.

Questionado se Cabo Verde e Guiné-Bissau beberam da mesma poesia, Pedro Pires respondeu que se deve perguntar as novas gerações se elas se inspiraram nisso ou não inspiraram.

“Não é uma questão específica da Guiné, mas sim se as gerações vindouras tinham os mesmos sentimentos (…) os mesmos desejos”, completou.

Fonte: Inforpress