Mais da metade dos cabo-verdianos enfrentaram dificuldades em obter cuidados médicos em 2019

Mesmo antes da pandemia da COVID-19, mais da metade dos cabo-verdianos que já tinham tido contacto com instalações médicas públicas enfrentaram dificuldades em obter os cuidados médicos de que precisavam. A saúde é terceiro problema de resolução considerada mais importante, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Afrobarometer.

De acordo com os dados do Inquérito sobre a qualidade da democracia e da governação em Cabo Verde, 52% dos cabo-verdianos que tiveram contato com um centro de saúde ou hospitais durante o ano anterior disseram ter sido “difícil” ou “muito difícil” obter os cuidados médicos necessários, um aumento de 10 pontos percentuais em comparação a 2014.

O estudo, realizado em Dezembro de 2019, revela que os cidadãos pobres e urbanos, 66%, foram particularmente propensos em relatar dificuldades no acesso aos serviços de saúde, quase que duplicando comparativamente aos mais favorecidos, 38%.

34% dos entrevistados disse que ficou sem atendimento médico pelo menos uma vez durante 2019. A falta de assistência médica era quase quatro vezes mais comum entre os cidadãos sem educação formal, 54%, do que entre aqueles com qualificações pós-secundárias, 15%, e era consideravelmente mais comum entre os residentes rurais, 43%, que os urbanos, 31%.

“A falta de acesso aos cuidados de saúde é um indicador-chave da pobreza e está fortemente correlacionada com as outras formas de privação, incluindo ficar sem comida, água potável, combustível para cozinhar e uma renda em dinheiro que compõem o Índice de Pobreza Vivida do Afrobarometer”, lê-se.

Quantos aos problemas “mais importantes” a serem resolvidos pelo governo, 44% dos cabo-verdianos apontaram a saúde, que apenas ficou atrás do desemprego, 69%, e do crime/segurança ,58%.

Apenas 32% dos cabo-verdianos disseram que o governo está indo “bem” ou “muito bem” na melhoria dos serviços básicos de saúde, contra 65% que disseram que estão apresentando um desempenho “bastante ruim” ou ” muito mal” a esse respeito.

A equipa do Afrobarometer em Cabo Verde, liderada pela Afrosondagem, entrevistou 1.200 adultos cabo-verdianos entre 8 e 22 de Dezembro de 2019. Essa amostra gera resultados ao nível do país com uma margem de erro de +/- 3 pontos percentuais com 95% de intervalo de confiança. Pesquisas anteriores em Cabo Verde foram realizadas nos anos 2002, 2005, 2008, 2011, 2014 e 2017.

Fonte: ExpressodasIlhas