Líder do PAICV diz que os emigrantes nos EUA estão preocupados com a “intransparência e inconsistência” da governação do país

Cidade da Praia, 01 Out (Inforpress) – A líder do PAICV disse hoje que os cabo-verdianos nos EUA estão preocupados com a “intransparência e a inconsistência” da actual governação do país pelo Movimento para a Democracia (MpD).

Segundo a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, Janira Hopffer Almada, a forma como têm sido feitas as privatizações e a gestão dos terrenos públicos, particularmente na Praia e nas ilhas de São Vicente, Boa Vista e Sal, “pode comprometer” o futuro dos cabo-verdianos.

A líder da oposição fez essas considerações em conferência de imprensa para falar da sua recente deslocação aos Estados Unidos da América, para participar na reunião da Internacional Socialista (IS), por ocasião da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Afirmou que os cabo-verdianos radicados nos EUA estão “preocupados” com a “situação caótica” dos transportes aéreos no país, quer a nível interno, quer no concernente à ligação com o país de acolhimento que, realçou, se tem tornado “cada vez mais difícil”, dificultando a vinda dos patrícios a Cabo Verde.

Revelou, por outro lado, que os emigrantes lhe queixaram a sua inquietude sobre a “desorganização” dos transportes marítimos, que tem afectado particularmente a região norte do país e a ilha Brava, criando “sérias dificuldades” à circulação de pessoas e bens, “em especial para as ilhas sem aeroporto, como é o caso de Santo Antão e a ilha das flores.

Para Janira Hopffer Almada, a “complexificação da criminalidade” em Cabo Verde “preocupa” igualmente os emigrantes dos EUA.

Na sua perspectiva, regista-se o “aumento dos níveis de insegurança”, enquanto as respostas para o seu combate tardam em chegar, “optando o Governo por se escudar em estatísticas, ou invés de desenvolver políticas que reforcem a prevenção e garantam a paz social”.

De acordo com a líder do maior partido da oposição, o “recuo no sector da saúde” é, igualmente, motivo de preocupação por parte dos cabo-verdianos residentes em terra do Tio Sam.

“As evacuações são uma verdadeira ‘dor de cabeça’, as consultas de especialidade nos estabelecimentos públicos são quase uma miragem”, sublinhou, acrescentando que a até os medicamentos já faltam no país.

Conforme salientou, os emigrantes queixaram-se-lhe também das dificuldades que os que não têm passaporte cabo-verdiano enfrentam na sua entrada no país.

A dirigente do PAICV lamentou esta situação, quando para os cidadãos da União Europeia e do Reino Unido o executivo de Ulisses Correia e Silva decidiu conceder isenção de vistos.

“Os cabo-verdianos nos EUA estão cientes desta triste realidade e precisam que o Governo os oiça, de modo a poder conhecer melhor a sua realidade e desenvolver politicas para a melhoria da sua situação na relação com a sua terra”, comentou, lembrando que as remessas dos emigrantes têm um “peso determinante” na economia nacional, ultrapassando, segundo suas palavras, o investimento directo estrangeiro.

Durante a sua estada nos EUA, além de encontros com as comunidades em Brockton, Boston e Rhode Island, Janira Hopffer Almada reuniu-se como o Mayor de Brockton, Moisés Rodrigues e, ainda, se reuniu com o candidato a Mayor de Brockton Jimmy Pereira.

Fonte: Inforpress