Janira Hopffer Almada afirma que sanvicentinos “têm todo o direito de ter uma nova ambição”

Mindelo, 08 Ago (Inforpress) – A presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada, disse esta sexta-feira, no Mindelo, que o povo de São Vicente tem todo o direito de ter uma nova ambição e de sonhar com um desenvolvimento a longo prazo.

A líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição), que falava aos jornalistas na apresentação oficial da candidatura de Albertino Graça à presidência da Câmara Municipal de São Vicente (CMSV), disse que o PAICV tem uma visão “ambiciosa e realista” do poder local, uma perspectiva de “boa governação local” “estribada na transparência”, na gestão dos recursos públicos e “coloca em primeiro lugar a satisfação e a realização das expectativas dos munícipes”.

Janira Hopffer Almada afirmou que a aposta em Albertino Graça mostra que o PAICV assume a ambição de ter lideranças “competentes, capazes e idóneas” e que estejam na política para “prestar um serviço público com a missão de servir”.

“Naturalmente que a competência e a idoneidade têm muita importância. Mas, também o carácter e a assunção da política como missão na perspectiva de servir, para prestar a sua colaboração a São Vicente foram determinantes”, explicou Janira Hopffer Almada.

Para a líder do maior partido da oposição, os sanvicentinos devem votar em Albertino Graça porque o povo de São Vicente tem de ter o direito de sonhar com uma perspectiva de desenvolvimento a longo prazo, uma perspectiva de qualificar o turismo, de apostar nas pescas, de projectar a cultura e de registar um crescimento inclusivo e que seja sentido por todos.

Ao mesmo tempo, defendeu, deve-se investir na concepção dos sectores estratégicos da economia e uma “aposta clara” para que as pessoas “vivam melhor, com melhores condições de vida”.

“Eu penso cada vez mais que temos de resgatar o patriotismo. Quem deve ser o protagonista de São Vicente devem ser os sanvicentinos”, sustentou a líder do PAICV.

Conforme Albertino Graça a vitória da sua candidatura “não é uma miragem” porque está a ser preparada por uma máquina partidária forte que compõe a organização das mulheres, os jovens, a máquina partidária do “Modernizar São Vicente” e ainda a máquina do “Mais Equilíbrio”.

Afirmando-se como menino da zona de Ribeira Bote, o candidato chamado em São Vicente por ˈTitotaˈ, mudou o seu discurso para a língua cabo-verdiana como forma de “trazer o Titota às pessoas”, confessou.

O candidato defendeu que desde a saída de Onésimo Silveira da CMSV os sanvicentinos sentiram-se “órfãos” e prometeu uma disputa até ao dia 25 de Outubro, dia das eleições, para vencer.

“A ilha precisa de alguma coisa para despertar. Precisamos da moral que tínhamos antigamente”, disse Albertino Graça para quem a ilha precisa de uma pessoa com capacidade intelectual, carismática e empresário reconhecido dentro e fora de Cabo Verde. Requisitos que, a seu ver, nenhum dos seus adversários preenchem, o que o leva a dizer que é ele a pessoa certa.

Por sua vez, a candidata do PAICV à presidente da Assembleia Municipal de São Vicente, Leila Barros de Pina, que se estreia na política, explicou que aceitou este desafio por causa do seu amor por São Vicente e por ser uma “oportunidade única” para servir a ilha.

Também diz-se convicta de que a ilha é um lugar para “recriar e reabastecer a democracia”, porque é “um barómetro de Cabo Verde”, e que a sua equipa de candidatura representa um “juntar de forças para catapultar São Vicente para um outro patamar”.

O presidente da Comissão Política Regional (CPR) do PAICV em São Vicente, Alcides Graça, que foi chamado a intervir garantiu que localmente o partido “vai fazer aquilo que é da sua responsabilidade para ganhar a eleição em São Vicente”.

“Nos todos juntos vamos criar as condições e dar o nosso contributo para ganhar esta eleição”, assegurou, o líder do CPR em São Vicente que defendeu que o combate que a presidente tem feito no parlamento mostra que o partido está melhor que em 2016 e está pronto para voltar ao poder nas próximas eleições legislativas.

Fonte: Inforpress