Imprensa impedida de questionar ministro sobre situação dos transportes aéreos

Os órgãos de comunicação social foram esta manhã impedidos de questionar o ministro da Economia Marítima e dos Transportes sobre a situação das ligações aéreas para São Vicente, durante uma visita de José Gonçalves ao terminal de cabotagem para assistir a chegada do navio Kriola, que vinha de Santo Antão. Aproveitando o momento, os jornalistas quiseram saber informações sobre as ligações da Cabo Verde Airlines para Mindelo e ouvir o ministro que tutela os Transportes sobre a manifestação dos Sokols no aeroporto internacional Cesária Évora. Mas, para espanto geral, a assessora de imprensa impediu que o governante falasse do assunto com a imprensa, deixando os jornalistas de microfone na mão e sem respostas no cais do Porto Grande. O ministro limitou-se a dizer que “o Governo não quer imiscuir-se e desviar aquilo que é a solução para a TACV”.

Fast Ferry com três embarcações a operar

Essa cena aconteceu durante a permanência de José Gonçalves no terminal de cabotagem onde foi esperar a chegada do catamaran Kriola da sua viagem Porto Novo-Mindelo. Gonçalves aproveitou a ocasião para realçar que, pela primeira vez na história da Cabo Verde Fast Ferry estão três embarcações a operar. “Tem havido um esforço muito grande da empresa e do Governo para disponibilizar recursos para fazer as reparações necessárias. O navio Kriola está a retomar aquilo que tinha feito anteriormente, que era começar a linha desde Santo Antão, de manhã, rumo a São Vicente e agora também fazer a ligação com São Nicolau. Segundo informações que dispomos, nesta viagem vai ainda fazer o percurso São Nicolau-Santiago/Santiago-São Nicolau”, adianta.

A ilha de São Nicolau passa agora a ter três ligações por semana, duas de São vicente e uma da Praia, o que, segundo o Ministro, ajuda a suprir as deficiências da ilha de Chiquinho em ligações marítimas. Por outro lado, a viagem São Vicente-Santo Antão conta, neste momento, com três embarcações: Naviera Armas, Inter Ilhas e agora o Kriola que dorme em São Antão e parte da Ilha das montanhas para São Vicente.

Quanto ao processo de concessão do serviço público de transportes marítimos, previsto anteriormente para estar concluído até o final deste ano, José Gonçalves anuncia que não foi possível concluir o contrato no tempo estimado devido a uma série de percalços e impugnações. “Perdemos meses por causa dos recursos que foram interpostos. Não posso precisar uma data concreta, mas o certo é que o mercado está sendo servido”, garante.