Ilha do Sal: PAICV diz que Santa Maria é mais do que uma rua e que reina o “caos” na cidade

Espargos, 03 Out. (Inforpress) – Os eleitos municipais do PAICV (oposição), na ilha do Sal, advertiram hoje que Santa Maria não se confina a uma rua e que o sentimento geral é que na cidade reina um “caos”.

“Um caos e um desgoverno tais, que décadas serão necessárias para ordenar a nossa casa”, reiterou a líder da bancada do PAICV, Kátia Carvalho, através de uma declaração política apresentada, hoje, durante os trabalhos da XV sessão ordinária da Assembleia Municipal do Sal.

Parabenizando a requalificação da rua pedonal, Rua 01 de Junho, em Santa Maria, que, conforme referiu, veio embelezar “o cartão postal” da ilha turística e trazer um espaço de lazer e convívio, “apreciado” tanto pelos turistas como pelos nacionais, a eleita municipal disse, entretanto, que Santa Maria “não é, e não se confina a uma rua”.

“Estamos todos satisfeitos e empolgados, orgulhosos da nossa rua pedonal. Damos os parabéns por esta realização. Mas esta cidade, em crescimento permanente, merece uma outra atenção, necessita de planificação, de realizações e de manutenção das infra-estruturas existentes”, acautelou.

“Hoje, quem visita Santa Maria tem a amarga sensação de visitar uma casa na qual a sala de visitas está muito bem arranjada mas no resto da habitação reina uma bagunça sem nome”, comparou, evocando que se o objectivo é transformar Santa Maria numa cidade turística de nível internacional é “bom” que se seja “realista”.

“A intenção é nobre e grandiosa, mas desçamos na terra firme e sejamos realistas. Muito caminho resta a percorrer para atingirmos o objectivo almejado. Para alcançarmos o nível internacional, pensemos primeiro no local, no nacional”, ironizou.

Isto porque, segundo Kátia Carvalho, o “desmando” que reina em Santa Maria é transversal a todos os sectores e requer uma política virada para a satisfação das prioridades, ao encontro do estatuto enquanto destino turístico.

Essa transversalidade, “ressentida por todos”, conforme sublinhou, espelha-se nas mais diversas vertentes, tendo nomeado o sector do turismo propriamente dito, infra-estruturas, saneamento, sector habitacional, saúde, segurança pública, fiscalização, entre outras.

“São estas e outras questões que entendemos devem constituir as prioridades da cidade de Santa Maria. E a câmara municipal já deu prova que não tem a situação controlada do ponto de vista da planificação e nem tem uma política delineada e sólida que responda às ansiedades e necessidades prementes da nossa cidade”, concluiu.

Fonte: Inforpress