Ilha do Sal: PAICV congratula-se com vacinação “extraordinária” da população

Espargos, 29 Jun (Inforpress) – O PAICV, no Sal, congratulou-se hoje com a decisão de vacinação “extraordinária” da população ao mesmo tempo que recomenda ao Ministério da Saúde a intensificar a comunicação visando a sensibilização das pessoas para a vacinação.

“Trata-se de uma medida que nós sempre defendemos (…) mais de que uma medida de política pública de saúde, estamos perante uma medida política pública económica, essencial, para no futuro haver a retoma turística, para se criar novos postos de trabalho na ilha do Sal e se preservar os actuais”, considerou o presidente da Comissão Política Regional do PAICV.

Démis Almeida falava numa conferência de imprensa, na sequência da apreciação do programa do Governo para a presente legislatura e aprovação da sua Moção de Confiança, com foco na retoma económica, designadamente turística no Sal.

O dirigente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde felicitou também a população pela adesão que tem havido, a administração e os profissionais de Saúde pelo trabalho que tem sido feito até agora.

Entretanto, segundo Démis Almeida, “ao que parece”, o grande desafio neste momento prende-se com uma maior mobilização das pessoas para a vacinação.

“De maneira que, apelamos à mobilização geral da população do Sal para a vacinação em massa, uma medida excepcional importantíssima para a retoma da normalidade na ilha”, apelou, indicando, por outro lado, ao Ministério e à administração da Saúde, a intensificação da comunicação visando a sensibilização e a mobilização das pessoas para a vacinação.

A Comissão Política do PAICV, na voz de Démis Almeida, recomenda ainda, a abertura de novos centros de vacinação na ilha, para além dos cinco já existentes, nomeadamente na zona norte da ilha onde, conforme referiu, há uma grande densidade populacional, bem com a instituição de centros móveis com a deslocação a determinadas localidades.

Segundo Démis Almeida, para quem não basta vacinar e imunizar 70 por cento (%) da população, que “provavelmente” só vai acontecer em finais de Setembro deste ano, é preciso, também, que o Ministério da Saúde adopte medidas que visem preservar a imunidade de grupo.

Reiterou, por outro lado, que o Governo deve adoptar “uma intensa acção” diplomática económica para que Cabo Verde tenha o estatuto de destino turístico seguro junto dos principais estados emissores, de modo a, efectivamente, Cabo Verde e Sal, comecem a receber turistas.

SC/CP

Fonte: Inforpress