Ilha do Sal: Eleitos municipais do PAICV preocupados com “vandalização” da praia de Parda provocada pela extracção de areia

Espargos, 12 Dez (Inforpress) – Os eleitos municipais da bancada do PAICV, no Sal, manifestaram-se hoje preocupados com a “destruição, vandalização” da praia de Parda, situação provocada pela extracção de areia naquela zona.

Esta inquietação foi manifestada na voz da líder da bancada, Kátia Carvalho, durante os trabalhos da XVI sessão da Assembleia Municipal, a última deste ano, onde os deputados, de ambas bancadas, fizeram uma saudação à morna, consagrada esta quarta-feira, 11, a Património Imaterial da Humanidade.

Segundo Kátia Carvalho, depois de uma visita àquela área, na zona de Pedra de Lume, os deputados ficaram “chocados” com a gravidade da situação e a dimensão dos estragos já verificados naquela praia.

“Pondo em causa o ecossistema, a sustentabilidade ambiental, e a própria autoridade local e nacional. Porque nós sabemos que há zonas onde são proibidas, há orientações e, no entanto, o que verificamos é uma extracção desenfreada, indisciplinada, desrespeitando todos os poderes públicos instituídos e todas as responsabilidades nesta matéria”, sublinhou.

Considerando que a situação vai “contra” àquilo que se resguarda, isto é, a defesa do meio ambiente, Kátia Carvalho disse ter apresentado fotografias, “factos que não podem ser ignorados”.

“Mas a câmara, na sua intervenção, escusou-se a referir sobre esta matéria. Porquê”, questionou, referindo que as marcas apresentadas são de máquinas que fazem a extracção e a praia está completamente destruída, vandalizada”, lamentou.

“Há que haver disciplina. Os poderes, central e local, não podem, simplesmente, permitir que as coisas sejam feitas desta forma. Têm que agir em conformidade, e preservar o que ainda resta nesta matéria, evitando maiores impactos a nível do ambiente e que pode pôr em causa questões económicas”, preveniu, lançando o apelo no sentido de “deixar de falar e começar a agir”, já que a disciplina, o rigor e a autoridade, começam no fazer cumprir lei.

Confrontado com o problema, o presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes, afiançou que está-se a trabalhar cada vez mais a nível de fiscalização para evitar que esses casos aconteçam.

Neste contexto, aproveita a ocasião para apelar à população do Sal, para quando virem casos dessa natureza, isto é, de pessoas a extraírem areia em lugares não adequados, ou a deitarem entulhos em zonas não indicadas a denunciarem, a informarem a câmara ou a Polícia Nacional.

“E dar combate a um pequeno grupo de pessoas que não quer cumprir as regras, extraindo areia, prejudicando o nosso ambiente. Apelo às pessoas que tiverem informações a denunciaram os indivíduos que fazem extracção de areia de forma ilegal, fazerem fotografias das viaturas, e enviarem para a câmara municipal para podermos agir”, recorreu.

Fonte: Inforpress