História arrepiante de vítima de maus tratos: Líder da oposição defende medidas urgentes para travar violência contra mulheres em Cabo Verde

A líder do maior partido da oposição defende medidas urgentes por parte do Governo para travar a onda de Violência Baseada no Género (VBG), que se regista actualmente em todo Cabo Verde. Janira Hopffer Almada toma esta posição, depois de anunciar, na sua página de facebook, ter recebido, no seu gabinete, uma mulher que foi vítima de maus tratos pelo seu ex-marido, cuja história lhe arrepiou muito.

História arrepiante de vítima de maus tratos: Líder da oposição defende medidas urgentes para travar violência contra mulheres em Cabo Verde
«Há dias, recebi no meu Gabinete (a seu pedido), uma senhora vítima de VBG. Ela me contou a sua história e senti-me arrepiada. Ela já sofreu violência de todo o tipo, por parte do ex-companheiro. Já fez queixa na Polícia e, segundo me informou, o processo já foi encaminhado para as Instâncias Judiciais. Depois de a queixa ser enviada, ela está ainda à espera de ser ouvida….!», escreve JHA.

Para a presidente do PAICV, escusado será dizer que a vítima vive em grandes dificuldades, com dois filhos pequenos para criar, um dos quais já a necessitar de apoio psicológico. «O ex-companheiro – um funcionário público – ficou com tudo o que construíram juntos, pois ela teve de abandonar a casa de morada de família, para salvar a sua vida!», descreve.

Segundo Janira Hopffer Almada, esta história é, infelizmente, a história de muitas mais mulheres cabo-verdianas. «E quero crer que essas mulheres precisam de resposta. E urgentemente! Não fiquemos apenas nas conferências, nos workshops, nos estudos e nos debates. Priorizemos aquilo que, de facto, é essencial e determinante e tenhamos a capacidade de chegar a essas mulheres antes que seja tarde», pede a líder do maior partido da oposição.

Medidas alternativas à política do Governo
A dirigente máxima do Partido da Independência lembra que, nos últimos tempos, Cabo Verde vem sendo surpreendido com situações hediondas, que devem merecer o repúdio de todos nós. «É possível fazer mais! E é possível fazer melhor! É preciso avançar! E isso tem que ser urgente», alerta.

Para não ficar só em críticas, Janira Hopffer Almada sugere um conjunto de medidas alternativas às políticas do actual Governo de Ulisses Correia e Silva para travar a onda da violência às mulheres que se regista neste momento em Cabo Verde.«Temos de reforçar o apoio social e a promoção sócio-profissional para as mulheres chefes de família, mães solteiras e adolescentes.Temos de priorizar a instalação, em todo o território nacional, de casas de abrigo temporário para mulheres vítimas de VBG».

A líder da formação tambarina propõe, por outro lado, medidas no sentido de se alargar o apoio sócio-educativo à infância, sobretudo para as crianças que crescem em famílias que ficam,infelizmente, desestruturadas. «Temos de alargar os gabinetes de atendimento especializado às vítimas de VBG, para todos os concelhos do País, acompanhado de competências e capacidades humanas dos Gabinetes»,

Fonte: Asemana