Fogo: Sector da saúde sofre de falta de recursos humanos – deputados do PAICV

São Filipe, 15 Jan (Inforpress) – O sector da saúde na ilha sofre de “uma gritante falta” de médicos, enfermeiros e de mais técnicos de radiologia, considerou hoje, os dois deputados do PAICV pelo círculo eleitoral do Fogo, no final da visita.

Em conferência de imprensa para o balanço da visita que decorre desde o dia 11 de Janeiro, o deputado Ledo Pontes indicou que o serviço de telemedicina dos Mosteiros encontra-se inoperável há mais de um ano, e as unidades sanitárias de base (USB) de Campanas de Cima e Patim (São Filipe) e Fonte Aleixo e Chã das Caldeiras não funcionam.

O deputado defendeu que as USB de Patim e de Monte Grande devem ser transformadas em postos sanitários com presença de enfermeiros, assim como a construção de uma unidade em São Jorge, zona norte de São Filipe e Tinteira, na parte norte do município de Santa Catarina.

“É urgente a requalificação da delegacia de saúde de São Filipe”, defendem os deputados que visitaram todas as infra-estruturas de saúde nos três municípios da ilha, assim como contactos com responsáveis para se constatar no terreno os ganhos e os constrangimentos que ainda persistem.

Em relação a pandemia, os parlamentares destacaram que os atrasos na transferência de verbas e pagamentos de serviços prestados têm sido constantes, assim como o pagamento dos serviços de transferência de doentes, sublinhando que os enfermeiros que concluíram o complemento da licenciatura aguardam ainda pelo enquadramento.

Para os deputados do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), a região sanitária não está a funcionar ainda na sua plenitude, impossibilitando-a de concorrer a recursos próprios, organizar os serviços das delegacias e melhorar a prestação de serviços.

No entender de Ledo Pontes, há a necessidade de novos concursos para abertura de mais farmácias na ilha do Fogo, sobretudo na cidade de São Filipe e no município de Santa Catarina do Fogo, onde não existe uma farmácia neste momento.

Em termos de ganhos para o sector de saúde nestes quatro anos, os deputados do PAICV apontam a colocação de um especialista em ortopedia no hospital regional, a instalação e equipamento de um laboratório de virologia e a aquisição de uma ambulância para o município de Santa Catarina, além de uma certa motivação do pessoal técnico, apesar de alguma sobrecarga de trabalho.

Estes ganhos, no entender dos deputados, não ofuscam os problemas que são de longe mais significativos.

Em relação ao município dos Mosteiros, os deputados constataram atrasos na transferência de fundos, com mais de 50 mil contos, referentes aos contratos assinados no quadro do PRRA, assim como o atraso na restituição do IVA e das verbas no âmbito da covid-19, obrigando a autarquia a suspender os apoios.

Face a estas situações e porque a saúde é um direito que assiste à população, os deputados do PAICV defendem que o Governo deve olhar mais para este sector e cumprir com as promessas feitas.

Fonte: Inforpress