Fogo: Protocolo bilateral visa criar condições para as pessoas que não têm oportunidades de sair possa materializar o sonho – Nuías Silva

São Filipe, 13 Out (Inforpress) – O protocolo bilateral celebrado terça-feira entre a câmara de São Filipe e a Universidade de Cabo Verde visa criar condições para que as pessoas que não possam sair da ilha tenham oportunidades de materializem o sonho de formação superior.

É assim que o presidente da Câmara de São Filipe, Nuías Silva, definiu o protocolo, lembrando que o objectivo principal não é evitar a saída em massa de jovens, mas “dar oportunidade às pessoas que não estão em condições de sair”.

Neste momento existem pelo menos 370 alunos do Fogo a estudarem na Universidade de Cabo Verde e destes, cerca de 270 são do município de São Filipe, referiu Nuías Silva, sublinhando que este número é reduzido, tendo em conta a quantidade de alunos que terminam o ensino secundário.

O autarca admitiu que o protocolo, para além de realizar aquilo que são os “grandes compromissos” relativamente ao acesso ao Ensino Superior, visa criar as condições para melhorar aquilo que são as ofertas para os estudantes da ilha, que estão deslocados nos campos da Uni.CV nas ilhas de Santiago e S.Vicente, abrindo assim perspectivas para cooperação a nível de investigação e de extensão.

No campo de investigação e no âmbito da comemoração do centenário da elevação de São Filipe à categoria de cidade, os alunos que estão a terminar cursos de História, Geografia e de Ordenamento do Território, poderão fazer os seus trabalhos no centro histórico da cidade.

“É um protocolo bilateral que vem na sequência da promessa de instalação do Ensino Superior na região Fogo/Brava”, disse Nuías Silva, sublinhando que a assinatura do mesmo constitui mais um passo neste sentido, já que as câmaras vão disponibilizar espaços para instalação da Universidade e começar a preparar ofertas formativas a nível de cursos superiores profissionalizantes e para o próximo ano lectivo cursos de licenciatura e de pós-graduação, tendo sido elencadas áreas como de saúde animal, agroalimentar, tecnologias de informação e multimédia.

Para além de cursos que conferem graus de licenciatura, também pretende-se implementar cursos modulares que garantam eficiência às câmaras municipais da região, nas diferentes áreas.

O presidente da autarquia de São Filipe indicou que há vontade política e institucional da Universidade de Cabo Verde para corporizar o protocolo celebrado com o Governo para trazer o Ensino Superior para a região Fogo/Brava.

Ainda este ano, a autarquia vai criar as condições para que a Uni-CV tenha uma secretaria funcional e começar a fazer o seu trabalho.

Da parte da Uni-CV, o protocolo foi celebrado por João Cardoso, para quem o protocolo reveste-se de uma grande importância, porque, explicou, permite à Universidade de Cabo Verde alargar a sua base de actuação, promovendo uma maior equidade no acesso às ofertas formativas para a região Fogo/Brava, sobretudo para os jovens da ilha do Fogo que terão oportunidades de formação sem necessidade, para algumas áreas, de se deslocarem à Cidade da Praia.

Por outro lado, adiantou que é uma colaboração interinstitucional que vai traduzir numa mais-valia dos esforços que cada uma das partes faz nos respectivos domínios de actuação para dar respostas ao desenvolvimento.

“Identificamos as áreas de capacitação de recursos humanos que são cruciais nos domínios de agroindústrias, das tecnologias e das energias. São áreas de relevância para o desenvolvimento local e a universidade estará a colocar todos os seus recursos e potencialidades ao serviço desta parceria, visando o desenvolvimento da ilha do Fogo”, disse.

JR/JMV
Inforpress/Fim