Covid-19: Câmara de Santa Cruz vai criar cerca de 800 postos de trabalho com retoma de obras e plano de mitigação da seca

Pedra Badejo, 02 Jun (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz anunciou hoje a criação de cerca de 800 postos de trabalho, com a retoma das obras e implementação do programa de mitigação da seca e mau ano agrícola no concelho.

Carlos Silva fez este anúncio durante uma entrevista concedida à Inforpress, para falar sobre a dinâmica económica do município no período pós-estado de emergência, decretado por causa da pandemia da covid-19.

“A câmara municipal elaborou um plano para alavancagem do sector da economia informal em Santa Cruz no período pós-estado de emergência. Por isso, começamos com a retoma das dinâmicas de obras e tudo que tem a ver com a movimentação do ponto de vista económico”, demonstrou.

Segundo o autarca, só a estrada da Ribeira dos Picos está a empregar neste momento 80 pessoas.

O Centro Multiuso de Monte Negro, asfaltagem da cidade de Pedra Badejo, calcetamento de ruas, requalificação de igreja, construção de placas desportivas e obras do estádio municipal são algumas dos projectos retomados, para garantir postos de trabalho e rendimento para as famílias.

Essas obras, reconheceu, vai permitir o desenvolvimento socioeconómico do município, fruto de apostas na infra-estruturação.

“Vamos melhorar também o abastecimento de água nalguns povoados, como o de Monte Negro, onde vamos fazer a ligação domiciliária, assim como Ribeira Seca, São Cristóvão, Gil André, Aguada, entre outros”, afiançou.

Nas zonas altas fora da rede pública de abastecimento de água a autarquia vai garantir, todas as semanas, um baril de água para cada família, para satisfazerem as suas necessidades básicas.

Carlos Silva garantiu a ampliação das laborações com a implementação do Plano de Mitigação da Seca Mau Ano Agrícola, prevendo a criação de cerca de 500 postos trabalhos.

Para a mitigação do mau ano agrícola no município de Santa Cruz está previsto um montante de 19 mil contos, que vai ser implementado em projectos relacionados com a garantia de água, melhoramento das vias de acesso, assim como construção e manutenção de reservatórios.

Instado sobre o valor disponibilizado para um dos maiores municípios agrícola do País, o autarca respondeu que este montante não é suficiente, tendo em conta a acumulação de três anos de seca.

Entretanto, assegurou que a autarquia vai gerir e avançar para a mobilização de outros fundos, através de outras vias, na tentativa de minimizar os efeitos.

A autarquia vai retomar, também, os projectos da fábrica de gelo, fábrica de farinha e tudo aquilo que dinamiza economia.

Tendo em conta a pandemia da covid-19, que impede a realização de eventos culturais com aglomeração de pessoas, Carlos Silva afiançou que a edilidade vai celebrar festas com a inauguração de um conjunto de obras, garantindo assim alguma dinâmica do município.

Fonte: Inforpress