Cardeal D. Arlindo Furtado diz que País tem uma sociedade “muito debilitada emocionalmente”

O bispo da Diocese de Santiago, cardeal Dom Arlindo Furtado considerou hoje,17, que sociedade cabo-verdiana está “muito debilitada emocionalmente”, reagindo assim, aos dois casos de assassinatos de mulheres, que aconteceram na última semana.

Cardeal D. Arlindo Furtado diz que País tem uma sociedade “muito debilitada emocionalmente”
O cardeal disse que é necessária uma reflexão de forma a criar, seja ao nível da família ou a nível da fé, um ambiente “mais favorável” a uma maturidade emocional que ajude as pessoas a serem “mais senhores de si”.

Dom Arlindo Furtado fez estas afirmações à Inforpress, após ter recebido a presidente do Partido Africano de Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Janira Hopffer Almada, encontro que serviu para uma “troca de impressões” sobre a situação do País e os desafios que enfrenta.

Conforme avançou, os casos de homicídios estão associados a muitos factores, mas sobretudo a fragilidade das pessoas, que direccionam toda sua carga emotiva numa outra pessoa, transformando a perda num “sentimento insuportável”.

“Acredito que os psicólogos, especialistas e os psicoterapeutas poderão ajudar a perceber isso. É fragilidade na pessoa que se afunilou emocionalmente, tendo a consciência numa perda, achando ser uma perda insuportável, agem desse jeito, tresloucada, que é muito lamentável”, atestou.

Contudo, entende que as pessoas não fazem isso como “senhores de todas suas faculdades, numa situação de desequilíbrio emocional, naturalmente também racional”.

Realçou ainda que tal também exprime “a fraqueza e a pobreza” do ambiente educativo, seja da família, da escola e de outros âmbitos sociais, que interferem na própria educação.

Destacou, contudo, que nesta altura do ano, época natalícia, a mensagem que passa à sociedade cabo-verdiana é “ lembrar de que é fundamental a vida individual e colectiva, que é Deus que nos criou e nos ama, de tal modo que se tornou Deus connosco, nosso companheiro de viagem”.

Fonte: Asemana