Câmara da Praia quer alargar prestação de cuidados a todos os idosos da capital

A coordenadora do Centro Dia, Sandra Pires, destacou o “trabalho louvável” que a câmara da Praia tem realizado na prestação de cuidados à terceira idade e disse que a ambição é abranger todos os idosos da capital.

Sandra Pires fez estas declarações em entrevista à Inforpress, a propósito do Dia Internacional da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa, que se assinala hoje, 15 de Junho, tendo salientado que a autarquia praiense tem dado “atenção especial” à terceira idade.

“A Câmara Municipal da Praia tem feito um trabalho muito bom a nível da terceira idade com prestação de apoio a idosos, realização de actividades para o retardamento de envelhecimento, mas também na criação de um ambiente mais saudável e melhores condições de vida aos idosos em situação de risco”, afirmou.

Segundo esta responsável, a data serve para lembrar sobre a importância da promoção do bem-estar e qualidade de vida da terceira idade, garantir assistência à saúde tanto física como mental do idoso, proporcionando um envelhecimento mais tranquilo.

E para assinalar a efeméride, o Centro Dia realiza hoje várias actividades recreativas envolvendo os idosos que vivem no centro e uma “conversa aberta” com o objectivo de sensibilizar os mesmos sobre os tipos de violência que existem e a necessidade de consciencialização da classe juvenil sobre a importância de tratar bem os idosos.

Neste momento, adiantou Sandra Pires, a câmara, através do Centro Dia de Castelão e de delegações em diferentes bairros da capital do país, tem trabalhado activamente com cerca de 120 idosos.

“Além do Centro Dia, que acolhe idosos, passamos a funcionar como centro de emergência para a terceira idade, onde além de realizarmos actividades, temos 12 idosos que foram abandonados pela família, em situação de vulnerabilidade social a residirem no centro”, referiu.

Tendo em conta o contexto da covid-19, as actividades que habitualmente eram realizadas no centro foram suspensas, informou a coordenadora, indicando que durante o período de confinamento, houve um “ligeiro aumento” do número de idosos que procuraram os serviços do Centro Dia.

“Antes da pandemia tínhamos uma média de 15 a 20 idosos que vinham todos os dias, mas com a chegada da doença tivemos que cancelar as visitas. E durante o estado de emergência, os idosos em situação mais crítica e que vivem sozinhos prestamos assistência alimentícia e medicamentosa e entrega de cestas básicas e temos estabelecido um contacto de proximidade”, referiu.

Sandra Pires disse, por outro lado, que o isolamento social tem tido um impacto “muito grande” na vida dos idosos, e que a coordenação do Centro Dia tem adaptado e realizado actividades por forma a resgatar a dinâmica e vida activa que os idosos tinham antes da pandemia da covid-19.

A coordenadora do Centro Dia destacou ainda o “trabalho louvável” que a edilidade tem feito relativamente à prestação de cuidados à terceira idade, lembrando que a área da acção social é muito sensível e que existem muitas pessoas que precisam de apoios vários, desafios a serem ultrapassados.

“A câmara tem feito um trabalho muito louvável neste sentido com a implementação de alguns projectos sociais, mas a nossa ideia é alargar as nossa acçoes (…). A nossa política não é trabalhar com números, mas sim com pessoas através de acções humanizadas”, declarou apelando a implementação de políticas públicas que garantam o cumprimento da legislação e criação de melhores condições no que se refere a prestação de serviços de saúde.

O Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa é celebrado anualmente a 15 de Junho.

A data foi criada em 2006 pelas Nações Unidas e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa, tendo como objectivos reflectir numa questão social sensível e acabar com a violência contra a pessoa idosa.

Fonte: ExpressodasIlhas