Cabo Verde fora do programa Millennium Challenge Corporation

Cabo Verde não foi eleito para o programa da Millennium Challenge Corporation (MCC). O arquipélago havia sido contemplado duas vezes pelo MCA, durante a governação de José Maria Neves, tendo saído chumbado desta vez pelo Conselho dos Diretores da Corporação do Desafio do Milênio. A seleção baseia-se em critérios como boa governação, combate à corrupção e respeito aos direitos democráticos, conforme avaliado no scorecard da MCC.

Em sua reunião trimestral, o Conselho de Diretores da Corporação Desafio do Milênio (MCC) do Governo dos Estados Unidos, selecionou a Indonésia, Malawi e Kosovo para os acordos bilaterais. Isto é, o programa de cinco anos de subsídios da MCC.

A Diretoria também selecionou a Etiópia e as Ilhas Salomão para os programas de limiar da MCC, que é o programa de subsídios mais reduzido da agência, e concentra-se na reforma política e institucional.

Este ano, pela primeira vez, a Diretoria da MCC orientou a agência a exercer sua nova autoridade sob a AGOA e MCA Modernization Act, selecionando países como elegíveis para desenvolver compactos simultâneos para investimentos regionais.

“Tenho o prazer de anunciar novas parcerias compactas da MCC com a Indonésia, Malawi e Kosovo, e novas parcerias com a Etiópia e as Ilhas Salomão”, disse o diretor de operações da MCC e chefe da agência, Jonathan Nash. “O Conselho também determinou que o MCC explorasse as oportunidades de investimento regional em cinco dos seus atuais parceiros compactos na África Ocidental.”

A MCC foi criada em 2004 como um modelo novo e diferente de assistência ao desenvolvimento, focado na redução da pobreza por meio do crescimento econômico.

Com base nas lições de décadas de experiência em desenvolvimento, a MCC oferece subsídios por tempo limitado aos países em desenvolvimento que atendem a padrões rigorosos de boa governação, desde o combate à corrupção até o respeito aos direitos democráticos, conforme avaliado no scorecard da MCC.

A MCC adota uma abordagem de negócios, com grandes compromissos com dados, responsabilidade e decisões baseadas em evidências. Os investimentos da MCC estão melhorando a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.

O Conselho da MCC selecionou a Indonésia para desenvolver um novo pacto em reconhecimento ao progresso da Indonésia na luta contra a corrupção, fortalecendo as instituições democráticas, mantendo políticas econômicas sólidas e investindo em seu povo. A assistência ao desenvolvimento para a Indonésia apoia a estratégia econômica indo-pacífica da administração Trump e promove a paz, a estabilidade e a prosperidade, bem como o engajamento empresarial dos EUA.

A diretoria da MCC também selecionou o Malawi para desenvolver um novo compacto. Apesar de ser o terceiro país mais pobre do mundo, o Malawi é um dos mais fortes desempenhos no cartão de pontuação da MCC no grupo de candidatos.

A diretoria da MCC selecionou o Kosovo para desenvolver um novo compacto. O actual programa de limiar do MCC do Kosovo fornecerá uma base sólida para um pacto compacto.

A Etiópia foi selecionada para desenvolver um programa de limiar. A decisão de desenvolver um programa de limiar sublinha o reconhecimento por parte do Conselho das recentes reformas feitas pelo governo da Etiópia este ano.

De igual modo as Ilhas Salomão também foram selecionadas para desenvolver um programa de limiar, que também apoia a estratégia econômica indo pacífica da administração Trump.

Compactos Concorrentes para Investimentos Regionais

A AGOA e MCA Modernization Act, assinada pelo presidente Trump em abril de 2018, autoriza a MCC a participar de compactos concorrentes para promover a integração econômica, o comércio e a colaboração transfronteiriços.

A Diretoria orientou a MCC a explorar oportunidades de investimentos regionais em cinco de seus atuais parceiros compactos na África Ocidental. Os cinco países selecionados como elegíveis são Benin, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gana e Níger.

A decisão da diretoria permite que a MCC trabalhe com cada um dos países para determinar se há projetos que atendam aos rigorosos critérios de investimento da MCC, bem como avaliar a capacidade dos países de trabalhar com a MCC e um país parceiro em um investimento regional. Não há garantia de que um país selecionado como elegível receberá um contrato concorrente.

O Conselho de Diretores da MCC selecionou o Burkina Faso, o Lesoto, o Timor-Leste e a Tunísia para um desenvolvimento compacto contínuo e a Gâmbia para continuar o desenvolvimento do programa de limiares. O Conselho analisou o desempenho das políticas de todos os países parceiros no desenvolvimento de compactos e limiares.

A Corporação Desafio do Milênio é uma agência independente do governo dos EUA que trabalha para reduzir a pobreza global por meio do crescimento econômico. Criada em 2004, a MCC oferece bolsas e assistência com tempo limitado para países pobres que atendem a padrões rigorosos de boa governança, desde o combate à corrupção até o respeito aos direitos democráticos.

Fonte: SantiagoMagazine