Boa Vista: PAICV reafirma que “distribuição de equipamentos desportivos é camuflar gestão desastrosa a nível do desporto”

Sal Rei, 23 Jul (Inforpress) – A Comissão Política Regional do PAICV, na ilha da Boavista, reafirmou hoje que o patrocínio atribuído pela Câmara Municipal aos clubes desportivos “é uma tentativa de camuflar quatro anos de uma gestão desastrosa a nível do desporto”.

Em nota de imprensa, a que a Inforpress teve acesso, a CPR-BV do PAICV reagiu às últimas declarações do presidente da Câmara Municipal da Boa Vista, José Luís Santos, acerca da entrega de equipamentos desportivos aos clubes e organizações desportivas na Ilha.

A CPR-BV escreve que em relação aos dois campos relvados na ilha, pode-se constatar que se tratam de obras feitas à pressa, sem nenhuma visão estratégica e que, como resultado, poucos meses depois da inauguração é possível observar o mau estado dos relvados, que constituem perigo para quem os utiliza”.

Quanto a reabilitação dos cinco polivalentes, a CPR considerou que estas obras ficaram muito aquém do que foi prometido nas últimas campanhas, e que o actual presidente prometeu terceirizar a gestão dos polivalentes aos clubes e/ou aos grupos locais, como forma de dinamizar os espaços e de gerar algum sustento aos mesmos, mas “essas infra-estruturas continuam sob gestão camarária e sem nenhuma dinâmica desportiva”.

O PAICV da Boa Vista cita o caso do polivalente Djidjung que tem a cobertura antiga a cair aos pedaços sem qualquer intervenção e sem substituição além do facto de esses materiais já se encontravam na ilha da Boa Vista aquando da sua entrada na câmara municipal, diz o documento.

Ainda de acordo com informações disponibilizadas pelo PAICV na Boa Vista, “as obras de melhoria no estádio Arsénio Ramos não correspondem às reais necessidades desse espaço, já que não há, por exemplo, uma única casa de banho disponível para o público que frequenta o recinto” além de que “há já muitos anos que a comunidade futebolística da ilha anseia por um novo campo relvado para treinos, para descongestionar o actual piso do Arsénio Ramos”.

“Uma câmara que possui uma visão estratégica não pode contentar-se com o já tradicional e já estabelecido subsídio anual atribuído aos clubes e depois esquecer dos mesmos durante o resto do ano”, sublinhou a comissão.

A CPR defende “o reforço desses subsídios, face aos problemas e dificuldades que os clubes enfrentam todos os anos”, acreditando que “o reforço deve ser dado também no acompanhamento e atenção prestada no dia-a-dia dos clubes, associações e/ou grupos”.

Para a CPR-BV “a formação de treinadores e árbitros de futebol de praia, organizado em parceria com a Federação Cabo-verdiana de Futebol, não pode ser por si só, motivo de regozijo tendo em conta que “a aposta na formação deve ser permanente e não esporádica, com foi o caso, uma excepção”.

Em relação aos desportos náuticos, a CPR-BV considera que “basta olhar para a vizinha Ilha do Sal para notar que nada, ou quase nada, foi feito na ilha da Boa Vista”, pelo que “há muito a ser feito, além da oferta de alguns equipamentos e materiais para a prática”.

A CPR-BV afirma, por outro lado, que o investimento deve ser no fomento e evolução dos desportos náuticos, na criação e atracção de grandes eventos nacionais e internacionais, por forma a motivar os praticantes locais.

“Não se pode falar em aposta no desporto náutico, quando temos um campeão que não consegue participar no circuito mundial de kite surf porque a CMBV negou-lhe apoio na obtenção de um visto, que lhe permitisse deslocar-se ao estrangeiro para participar da prova”, lê-se na nota.

Ainda sobre a aposta no desporto, a mesma fonte lamenta ainda que “a ilha tem um penta campeão nacional de atletismo, nos 200 metros e tetra-campeão de 100 metros, que pensa em desistir da modalidade, por falta de apoio por parte das autoridades competentes”.

Dizem ainda que “durante quatro anos, não se conseguiu realizar uma gala de desporto para premiar os vencedores e motivá-los a continuar, e que não se investe na construção de uma pista de atletismo numa ilha com clara apetência por essa modalidade”.

“Os atletas e os clubes desportivos estiveram completamente abandonados por parte da Câmara Municipal da Boa Vista e o presidente, José Luís Santos, já deu provas de não ter nem competência nem visão para desenvolver o desporto na ilha da Boa Vista”, lê-se na nota que reafirma que “a entrega de equipamentos e outros apoios nesta época pré-eleitoral tem como único objectivo a preparação da sua campanha eleitoral”.

“O PAICV é um partido realista, vê e constata, tem visão para ilha onde existem enormes potencialidades a nível dos desportos”, diz no documento no qual o PAICV diz entender que “nos últimos quatro anos que o Desporto não tem recebido a devida atenção por parte da actual câmara municipal”.

Fonte: Inforpress