Autárquicas 2020/São Miguel: PAICV quer uma AM mais fiscalizadora, mais autónoma e mais participativa

Calheta, 17 Out (Inforpress) – Carla Carvalho, que candidata pelo Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição) para Assembleia Municipal de São Miguel, defende um órgão mais fiscalizador, mais autónomo e mais participativo.

Carla Carvalho, que em 2016 candidatou-se para a Câmara Municipal de São Miguel e perdeu por Herménio Fernandes, volta para mais uma corrida, desta feita para dar o seu contributo na assembleia.

Em declarações à Inforpress, esta socióloga disse que está sempre pronta para dizer “sim” aos desafios de São Miguel, pois quer dar o seu contributo para a democracia.

“Há 23 anos que o concelho de São Miguel é governado a nível local pelo Movimento para a Democracia, então o que nós temos visto desde desse tempo é um ciclo de pobreza que se agrava no município, por isso a minha motivação é para continuar nesta luta a favor de São Miguel”, disse, sublinhando que está nesta luta desde 2012.

A sua lista defende uma AM assenta em três pilares: mais fiscalização, mais participação e mais autonomia.

Em relação à fiscalização, Carla Carvalho defendeu que este órgão deve ser autónomo e não ser dependente da câmara municipal, algo que “tem vindo a acontecer nos últimos quatros anos“, como denunciou.

“A mesa da assembleia municipal em São Miguel é submissa aos caprichos e a vontade do presidente da câmara, eu nem diria o colectivo dos vereadores, mas do próprio presidente. Ele é que decide as pautas a serem discutidas nas sessões, então penso que isto deve mudar”, criticou.

Ao seu ver, é necessário dar mais dignidade à AM, isto é, ter um espaço próprio de trabalho e não continuar a funcionar num anexo da câmara municipal.

Compromete-se a trazer as pessoas a participarem mais na vida política e a apostar na descentralização das sessões solenes.

“É preciso às pessoas estarem cientes, atentas e participarem da vida política e participarem das decisões que são tomadas em São Miguel”, disse, criticando a atitude da equipa camarária, liderada por Herménio Fernandes, de que em vez de ouvir e resolver os problemas apresentados pelas pessoas “levanta a voz e acanha” essas pessoas.

Carla Carvalho defendeu ainda que é necessário haver alternância em São Miguel para que haja uma democracia efectiva.

A candidatura dupla Carvalho, João e Carla, vão estar hoje no centro da cidade para contacto com o eleitorado.

Nas eleições de 2016, as sétimas realizadas em Cabo Verde para escolha dos titulares dos órgãos municipais, concorreram, em São Miguel, três candidatos, tendo o MpD (Herménio Fernandes) conquistado a câmara com 4.146 votos (69,35%), o PAICV (Carla Carvalho) alcançado 1.518 votos (25,39%) e o PP (Alberto Correia) 125 votos (2,09%).

Para as eleições autárquicas de 25 de Outubro, em São Miguel, estão inscritos 10.218 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 9.468, dos quais 5.978 votaram).

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e 1 para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (4) e São Vicente (1).

Fonte: Inforpress