Autárquicas 2020/Sal: “Comício é importante mas contactos de proximidade permitem apreender melhor os problemas da população” – candidato PAICV

Espargos, 13 Out. (Inforpress) – O candidato do PAICV para as eleições autárquicas de 2020, no Sal, Albertino Mosso, considera comício um meio “importante” para a transmissão da mensagem, porém julga que os contactos de proximidade permitirão apreender melhor os problemas da população.

Os comícios, à moda de festa popular, estão proibidos na campanha das autárquicas 2020, cujo escrutínio terá lugar no dia 25 de Outubro, devido à situação de pandemia do novo coronavírus, a covi-19.

Em razão dos cuidados para evitar que eventos públicos da campanha eleitoral coloquem em risco a saúde pública por causa da propagação do novo coronavírus, a Comissão Nacional de Eleições (CNE), aconselha os candidatos a se empenharem por forma a evitar aglomerações de pessoas nos eventos que devem ocorrer em lugares abertos e espaçosos.

Perante o contexto da covid-19, que impede a realização de comícios, Albertino Mosso que é estreante nessas andanças, desvaloriza esse impedimento, sublinhando que a mensagem da candidatura sob o lema “Respostas ousadas com Tino”, terá seu impacto nos contactos ‘vis-à-vis’ com o eleitorado.

“O comício é um meio importante para passar a mensagem, mas entendemos que falar com as pessoas, olhos nos olhos, nas diferentes zonas e localidades, permitirá melhor percepção dos seus problemas e anseios”, justificou, o pretendente à cadeira presidencial do município do Sal.

Admitindo os ganhos conseguidos desde a implantação do poder autárquico, mas também os desafios que a ilha tem pela frente, particularmente no contexto económico e sanitário que se vive no país e no mundo, Tinó Mosso diz que se torna “imperiosa” a construção de uma visão de futuro melhor para a ilha turística.

“Com uma equipa motivada e competente, a nossa liderança pretende consubstanciar essa nova visão, enfrentado os desafios emergentes e solucionando, de forma definitiva, os velhos constrangimentos com políticas municipais inovadoras”, vaticinou.

Na ilha do Sal, concorrem para estas eleições autárquicas, Albertino Mosso, apoiado pelo PAICV, o grupo Independente – Sociedade em Acção para a Liberdade -, encabeçado por Aldirley Gomes, e o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Júlio Lopes.

Nas autárquicas de 2016, na ilha do Sal concorreram quatro candidatos, sendo Júlio Lopes (MpD), que ganhou a câmara com  50,88% dos votos, Démis Lobo (PAICV) que obteve 43,58% dos votos, Jorge Rocha (UCID) 2,82%, e Paulo Jorge Lopes (PSD) 0,34%.

Para as eleições do dia 25 de Outubro, na ilha do Sal, estão inscritos nos cadernos eleitorais 18.710 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 16.744, dos quais 9.633 votaram) distribuídos por 67 mesas de voto.

A nível nacional participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (um), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (4), São Vicente (1).

Fonte: Inforpress