Ainda estamos sem Manuais Escolares e sem Professores em vários Estabelecimentos de Ensino

O nosso país só irá desenvolver-se no ritmo que almejamos se as nossas crianças, adolescentes e jovens tiverem acesso a um sistema de educação de qualidade, que priorize e garanta as boas condições para uma boa formação dos alunos, para que estejam preparados para abraçar os desafios que surgirão.
No entanto, em matéria de Educação estamos diante de uma situação séria e complexa em Cabo Verde. Situação, inclusive, reincidente no que tange à questão da falta de manuais escolares meses após o início do ano escolar.

As aulas começaram no dia 17 de Setembro, há cerca 2 meses e meio, estamos às vésperas de dezembro, ou seja, quase no final do primeiro semestre e, ainda, vários estabelecimentos de ensino, um pouco por todo país, encontram-se sem professores.
Agora, o mais grave e caricato não é só a ausência de professores. Temos um problema grave de falta de manuais escolares para os alunos em todas as ilhas do país.

A solução encontrada foi criar manuais digitais. Esta solução não resolve em absoluto o grande problema existente já que sabemos que a maior parte das nossas escolas não estão devidamente equipadas com computadores e nem os alunos, na sua grande maioria, dispõem de um computador em casa. Então como irão ter acesso aos manuais digitais para poderem estudar e acompanhar a matéria dada pelos professores. Neste caso, nem se põe a possibilidade de os alunos fazerem fotocópias dos referidos já que é extremamente caro e totalmente fora das possibilidades, para a maioria, dos alunos.

A situação é de extrema gravidade. E, dada a esta situação, há inúmeras perguntas que não se calam:

• Depois do calvário que se viveu em torno das graves falhas nos manuais escolares durante o ano letivo passado, como é possível que ainda não tenhamos todos os manuais disponíveis?
• Como é possível que tenhamos um número grande de quadros formados em várias aéreas à procura de emprego, em quase todas as ilhas, e ainda temos falta de professores nos estabelecimentos de ensino?
• Porque não dar oportunidade de emprego, nos estabelecimentos com falta de professores, aos desempregados residentes no concelho?
• Há um forte questionamento acerca do que ocorreu realmente com o concurso feito para recrutar professores.
• Será que não se previu, no Orçamento de Estado de 2018, o recrutamento e os salários dos professores? Será este o provável motivo para estes professores serem selecionados só em 2019?

Realmente são muitas perguntas para poucas respostas.

Está mais do que visível que as falhas ocorridas no Ministério da Educação são de extrema gravidade. Acredito que devemos nos questionar se é este o rumo que queremos dar ao sistema da educação em Cabo Verde. As políticas e as (falta) medidas até agora implementadas são as que nós queremos, são as que temos vindo a trabalhar nestes anos de independência? Não me parece!

Temos milhares de alunos, professores, país e encarregados de educação, todos prejudicados, perante esta grave situação. Estamos a comprometer o futuro do país, seriamente, com esta falta de planificação e sentido de responsabilidade para com os estudantes deste pequeno país.

Ainda assim é inadmissível quando afirma a Sra. Ministra:

… “Está a ser colmatada paulatinamente a falta de professores nas escolas… e que ‘’…Relativamente a falta de manuais escolares…promete a resolução do problema ainda neste mês…”

Num país onde a educação é uma prioridade, deveríamos todos zelar para que também tenhamos em Cabo Verde uma educação de qualidade. Sem professores e sem manuais escolares fica difícil e não pode haver qualidade de ensino, como sugeriu o Presidente da República.

Aonde temos estado todos nós? Estudantes, associações, professores, sociedade civil, pais e encarregados de educação. Continuaremos todos neste silêncio? Sem exigir…sem lutar…sem querer o melhor para a nossa educação…

Fonte: Página Facebook do Presidente da JPAI – Fidel Cardoso de Pina