PAICV acusa autoridades de “falta de vontade” em acudir populações de Santo Antão em “situação crítica”

Cidade da Praia, 10 Out (Inforpress) – O PAICV (oposição) acusou hoje, no parlamento, as autoridades de “falta de vontade” em acudir as populações que vivem “situações críticas” falando de “laivos de alguma crueldade”, mas os deputados do MpD (poder) contrariam esta tese.

Segundo Vera Almeida, eleita nas listas do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) para o círculo de Santo Antão, durante uma visita os seus colegas puderam testemunhar “situações confrangedoras” por que passa a população da ilha das montanhas.

“A situação da ilha é crítica e há famílias que passam por situações que atingem níveis preocupantes”, precisou Vera Almeida, apelando ao Governo para auxiliar as populações.

A deputada fez essas considerações no períodos de questões gerais em que os deputados aproveitam para expor os problemas dos respectivos círculos eleitorais.

No dizer  daquela parlamentar,  para “complicar ainda mais” a vida das famílias, “não há frentes de trabalho abertas” e o “desemprego é massivo”.

Sem rendimentos, prosseguiu, as famílias “não conseguem aceder aos cuidados primários de saúde, nem assumir as despesas com a educação” dos filhos.

No concernente aos transportes marítimos,  afirmou que “não há melhorias” com a nova concessão à empresa CV Inter-Ilhas e que a linha marítima, outrora considerada a “mais consolidada do país se desmoronou” e o “caos se instalou”.

“O grupo parlamentar do PAICV pôde  constatar que não há obras  estruturantes em curso em Santo Antão”, indicou, acrescentando que “caiu no esquecimento” a anunciada obra de protecção  da orla marítima da cidade das Pombas, no Paul, e que as obras lançadas nas vésperas  do Estado da Nação “não passaram de publicidade enganosa”.

Diante da situação que verificou durante a visita a várias localidades dos três concelho da ilha, o grupo parlamentar do maior partido da oposição  apelou ao executivo  para criar um “plano de emergência” para acudir às necessidades das famílias.

Por sua vez, o deputado Damião Medina, eleito nas listas do Movimento para a Democracia (MpD, poder) pelo círculo eleitoral de Santo Antão, reconheceu a existência de dificuldades, mas, segundo ele, “o Governo tem dado toda a atenção à ilha”.

“Um conjunto de investimentos vêm sendo feito na área do turismo e agricultura”, considerou, acrescentando ainda que há parcerias entre o Governo e as câmaras municipais no quadro do Programa de Reabilitação Ambiental e de Acessibilidades (PRAA).

“Os problemas da ilha de Santo Antão advêm sobretudo por causa dos três anos de seca seguidos”, justificou.

Segundo o deputado, na ilha foram lançadas as obras e, neste momento, as empresas “estão a montar os estaleiros”, pelo que “muito brevemente” as mesmas vão arrancar, criando “muitos posto de trabalha”.

Carlos Delgado, deputado do PAICV, apoiou a intervenção da sua colega da bancada parlamentar e desafiou os deputado do MpD por Santo Antão a colocarem-se do lado da população “que está a sofrer”, em vez de “estarem a defender o Governo”.

Para Adilson Fernandes, os deputados do MpD “estão do lado da população de Santo Antão” e continuarão “atentos à problemática da seca” que está a afectar a ilha.

Por sua vez, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, também admitiu os problemas por que passam as populações da ilha, mas disse entender que hoje  as pessoas que enfrentam dificuldades “são muito menos do que há quatro ou cinco anos”.

“O Governo vai continuar este ano e no próximo com os programas de mitigação do mau ano agrícola e da seca”, assegurou  Elísio Freire, que anunciou que para o efeito já está orçamentado  um milhão de contos.

Fonte: Inforpress